Dias de extrema felicidade e tensão.


Guardo em mim umas vontades absurdas de expor sobre o que sinto, ainda mais agora com tantas novidades, com tanto sentimentos sendo aguçados, com vários medos e incertezas.

Estou percorrendo o caminho mais longo da vida e talvez o melhor. Não ando mais sozinha, não penso somente em mim, descobri um amor tão puro e indelével.

Antes de 2015 eu era uma garota qualquer que sonhava muito e concretizava pouco. Conheci o amor aos 19 anos e longo fomos morar juntos, mesmo sem ter trocados no bolso. Uma paixão muito forte nos cercou e lá fomos nós dividir a vida. Crescemos muito um com o outro, e erramos também -talvez eu tenha errado mais do que ele. Nos separamos algumas vezes, mas sempre mantivemos a certeza que amor entre a gente sempre existiria.

2015 chegou e eu chorei tanto por não estar ao lado de quem eu amava e ali entre lágrimas nunca se quer passou pela minha cabeça que esse ano seria O ANO da minha vida, da minha salvação, o ano da virada.

No dia 3 de abril de 2015 descobri que estava grávida, chorei, me desesperei e pensei ‘o que eu vou fazer agora? Justo agora que finalmente — depois de 24 anos — descobri o que quero fazer da vida.

Voltamos a viver juntos com a certeza que estávamos constituindo uma família. Juntos para receber a nosso pequena e para enfrentar os problemas.

Ali minha vida mudou e está mudando…

Entre tantos problemas sentimentais, financeiro e até psicológico, ela veio ao mundo.

Foi uma gravidez bem intensa, mas considerada normal até ela resolver não esperar e chegar com 37 semanas e 5 dias.

Luísa veio ao mundo, parto humanizado e normal do dia 12 de Novembro de 2015, às 15:17.

E o amor não nasceu ali, o amor foi sendo construído nos dias que se passaram… Naquele momento eu só pensava ‘e agora? Eu vou conseguir cuidar e ser uma boa mãe? Não estou preparada para isso'

Depois vieram os primeiros problemas a ser enfrentados. Pressão alta no pós parto, seio com bico invertido, leite não descer, bebê chorando de fome, eu chorando de desespero, internação de cinco dias, estresse e tristeza.

Primeiro mês sendo mãe, primeiro mês da Luísa. Dias de extrema felicidade e tensão

E em uma noite com sono e bebê acordado, achando que não ia aguentar mais nenhum segundo em pé, és que eu olho para aquele ser frágil, pequeno e bonito nos braços e ela sorri, ali descobrir, ali me fiz mãe, ali tive certeza que essa nova caminhada não vai ser fácil mas vai ser totalmente linda e compensadora.

Eu sou mãe de primeira viagem aos 25 anos, e todo dia aprendo uma coisa nova. Todo dia me transformo em mulher e em mãe.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.