Por alguma razão, o povo brasileiro iniciou a modinha de falar que tudo o que é popular é modinha. Este fenômeno, quase tão curioso quanto o fenômeno do “geração mimimi” (a galera que faz o maior mimimi falando que o mimimi é por parte dos outros), toma conta das nossas vidas e de nosso cotidiano de uma maneira quase doentia. Surgiu uma banda/música nova, que é boa, faz sucesso e as pessoas realmente fazem questão de divulgar nas redes sociais o quanto apreciam a mesma, pode apostar que vai surgir uma turba de babacas que vão falar “Nuss, brasileiro é uma merda mesmo, adora essas modinhas” e secretamente curtem a parada.

Quase que na mesma proporção, vai surgir aquele colega que vai falar “Eu já curtia o trabalho dessa banda desde 1942, quanto o pai do integrante X nasceu e o baterista da 3 formação da banda, pós falecimento do roadie Charlie, decidiu que o nome do álbum de retorno seria ‘Return: Again — PT VI’”. Ambos são desprezíveis e você pode mandar a merda e falar que fui eu que disse pra fazer isso.

Como nem tudo na vida é perfeito feito bacon, no meio da treta entre essas tribos, existem a galera alheia a tudo isso e que pensa “Como cês curtem isso, mó bosta”. O problema é que a galera da modinha e os sommeliers/hipsters é que, quando a galera que não gosta chega, eles reclamam e utilizam de argumentos tais quais: “Por que é bom”, “Era melhor quando ninguém conhecia”, “Mas você é a minoria, então não conta” e por ai vai.

No meio disso tudo, vários itens aparecem como unanimidade no quesito “Proibido não gostar”, que aparentemente unem todo mundo. E é sobre alguns deles que irei falar hoje.

Eu vou citar cinco itens que, para mim, fazem parte dessa categoria e ainda assim eu não gosto ou sou completamente indiferente, o clássico “caguei

Oras bolas, essa galera reclama que tal coisa é modinha, consome a mesma e depois xinga quem não gosta, ou então se junta para hatear (odiar, mas usar palavras adaptadas do inglês é divertido) algo da cultura de massa e eu não posso falar que não gosto de umas paradas? Não tô entendendo e nem fui desafiado ainda.

  1. Açai
Valeu Açaí Deck

Já começamos com o pé direito na treta. Dos tempos de colégio até hoje, algumas centenas, quiça milhares, de conhecidos, vivem em torno da ode ao açaí. Eu acho uma merda. Parece terra, não tem gosto de nada, é overpriced pra caralho e o número de toppings que você tem que por para ficar comível é absurdo. Troque açaí por sorvete de chocolate e pronto, estamos falando minha língua. “Mas sorvete de chocolate não é saudável”. Claro, por isso vou pegar este pote de açaí, acrescentar uma lata de leite condensado, banana amassada, bala de goma e granola, por que essa merda não vai se digerir sozinha e então, só então, essa massa escrota com gosto de terra vai ficar doce o bastante pra eu poder engolir. Prefiro ficar com o sorvete de chocolate. Falando em coisas overpriced que precisam de muitos toppings, o próximo item é…

2. YogoBerry/Fruit/Frozen ou qualquer coisa que substitui sorvete por yogurte

Pegue tudo o que falei acima e troque o açaí por yogurte. O único yogurte bom de verdade é Danoninho (Danette também), ai tu me vem com essa parada sem gosto, enche com uma caralhada de coberturas e paga valores absurdos ao invés de tomar um sorvete. Essas coisas tem gosto dos toppings e comprar SÓ OS TOPPINGS PRA COMER EM CASA é mais barato que o pote mini desses yogurtes. E novamente, a partir do momento que o atendente vira meio galão de leite condensado no seu potinho, pra parada ter gosto, deixa de ser saudável e passa a ser diabetes.

3. As Branquelas

Sem censura e sem cortes não é a mesma coisa?

Quando eu tinha uns 10 anos, os filmes faziam piadas de peido, a dupla de protagonistas entrava em umas situações do barulho, e eu achava daora. Mas ai você cresce e nem mesmo um policial negro de 1,90m vestido de patricinha branca e loira, batendo com um pau mole de plástico na cara faz o filme ser engraçado. As piadas são ruins e nem mesmo pra um filme besteirol ele se salva. Para ser sincero a única coisa boa do filme ainda hoje, é a cena do Terry Crews cantando A Thousand Miles. Não sei se a galera que idolatra o filme sente aquela nostalgia batendo forte o bastante pra não admitir que o filme é uma merda ou se gostam mesmo. E olha que eu não sou um cara que tem um puta senso pra filme, eu curto Transformers e rio dos primeiros Todo o Mundo em Pânico, mas admito que os filmes são uma merda, diferente de quem idolatra As Branquelas. Aliás, vão ver as notas desse filme, só pra terem uma ideia. Falando em filmes…

4. Velozes e Furiosos

Furious 7 = Os 7 Protagonistas no poster. WOW.

Okay, carros e nostalgia, eu entendi, mas eles não mudaram NADA NA PORRA DO FILME desde aquele que foi em Tóquio. “Ah, mas tem carros”. Seria um puta argumento (tsc) se Tranformers não tivesse carros ROBÔS, que dão um pau homérico em carros tunados. Provavelmente o fato de Need For Speed Underground ter sido lançado junto dos filmes, fez com que a as pessoas gostassem da série cinematográfica, mas como eu disse, há pelo menos 4 filmes é tudo a mesma merda. O sétimo filme, que nem se deu ao trabalho de ter o nome inteiro escrito no título (virou Furious 7) aliás, teve a 6ª maior bilheteria da história, sendo que 76% da bilheteria veio de fora dos EUA (a menor bilheteria em território americano entre o Top 10 de maiores bilheterias da história). E, na moral, só teve todo esse alarde por que o broder lá morreu num acidente de carro (ironias mil e eu vou pro inferno). Eu não sei o que pensar a não ser “Que galera fácil de impressionar, puta que pariu”. Não falo nem pra ir verem um filme francês em preto e branco, é chato pra caramba, mas gente, por favor né, se vocês querem ação com carros e que seja massavéi, tem Transformers, se quiserem só o massavéi, filmes de super heróis. Posso ainda, indicar Mercenários, onde tem ação massavéi sem sentido com caras que fizeram filmes clichês FODAS nos anos 80 e 90.

AH, E O BANDO DE GENTE CHORANDO COM A CENA FINAL? Essa galera que nunca viu Rei Leão não sabe o que é cena emocionante, pode pá.

Certeza que se o broder loirinho não tivesse morrido essa merda não ia estar nem no top 50 de bilheterias.

5. The Walking Dead

Sabe aquela série que não sabe a hora de parar? The Walking Dead bateu nesse muro com força, mas o fandom não permite que falem que a série é uma bosta e que já perdeu todo o gás. Aliás, perdeu o gás na segunda temporada com aquele lenga lenga RIDÍCULO, que deve ter sido planejado no seguinte diálogo na sala dos roteiristas:

-Puta merda, já enrolamos demais, onde tá a garotinha?

-E… que tal… se ela... tivesse… VIRADO ZUMBI E ESTIVESSE NO CELEIRO ESTE TEMPO TODO?!?!?

-MEU DEEEEEEUUUUUUUUUUUUSSSSSSSS!!!!!1!!1!!ONZE!!!!

Sério mesmo? E tem gente que reclama de spoilers do que ocorreu na HQ (que também está um saco), o que, sinceramente, é mesma coisa que estar vendo filme do Harry Potter e reclamar quando alguém chegar e falar que o Snape morre. JÁ TEM NOVE ANOS DO ÚLTIMO LIVRO E UNS QUATRO DO ÚLTIMO FILME. Mas por algum motivo sombrio, a galera gosta de ser enrolada pra descobrir que no final, todo mundo vai acabar morrendo de forma escrota, quase igual ao final de Lost. Ou então essa merda nunca vai acabar e tu vai notar o quanto foi trouxa em algum momento, invariavelmente.

Podem falar colegas, eu entendo vocês, afinal, vi Lost.

MENÇÃO HONROSA

  • Séries da CW e Supernatural

As séries de super heróis da CW são meio deprimentes, incluindo Flash, que tem alguns momentos apenas. Arrow é chato pra caralho e Flash só serve de ponte pro universo integrado da DC, de resto é dispensável (além de efeitos bem pífios). E Supernatural, bem, vá no item 5 deste post e leia até a metade da terceira linha. Leu? Então beleza.


Antes de virem falar “Nossa só é bom o que você gosta”, releia o texto.

E você? O que todo mundo gosta menos você, ó diferentona (ou diferentão)?

Deixe seus comentários, feedback e sugestões no espaço abaixo, e dê aquela recomendada no post! Além disso, pode vir falar comigo no twitter, juro que sou legal.

Até mais.