Casos, descasos e acasos

Sobre o perpétuo, infindável e mutável

Work in progress

14 de Julho de 2014

Uma alma nunca descansa: É energia contínua, plena, perpétua. A agitação é inerente à condição: matéria, moléculas, caos. Esse último, nosso cárcere, a corrente que impede nosso espírito alcançar as alturas, e também a origem de todos os males.

Apesar disso, o caminho ainda é uma incógnita. Amores, desejos, devaneios, posses, gozos, são todos intensos, até serem levados pelo vento…

Sem o cuidado de si, o que se constrói em existência, desfaz-se em minutos: comete-se o crédito, devendo assim à causalidade e às suas conseqüencias.

Logo, porque esperar do outro algo que nunca dei a ninguém?

Like what you read? Give O Misantropo a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.