Escárnios
Celina
232

Forte, muito forte. Gostei da reflexão. Me identifiquei com a passagem sobre o refugo, ou segunda opção como você colocou. Estamos em um estágio consciencial perigoso: Já sabemos e sentimos nossa condição como um subproduto de um subproduto (ad infinitum). Adornamos desesperadamente o que nos resta de invidivualidade para sobressair-se em meio a tantos "eus". Estamos passando por uma década da extrema vaidade e da egolatria, acho que nunca tivemos tantos recursos para exaltar o nosso ser como nos últimos anos, sem contar no ambiente perfeito para proliferação das doenças mentais. Ah, não posso deixar de dizer que, em meio a tal cenário, faz parte dar luz à criança emocional (comportamento egóico) cuja finalidade é colher as migalhas do próximo, como uma criatura pedindo esmolas no sinal e devolvendo ao seu criador… Fiz isso durante anos, hoje estou cansado.

Beijos =)

(sem simulacro ou fingir que existe)

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.