2015 foi o ano da depressão.

Reclamando de tudo.

2015 foi o ano que tinha tudo para dar errado pelo motivo de mudança. Mudança de um país subdesenvolvido para um nem tanto. Há um pouco mais de um ano estava eu desembarcando em Belo Horizonte, vindo dos Estados Unidos. Fiquei lá por um ano e meio.

Baque? Todos tivemos. Sou muito feliz por ter feitos grandes amizades lá fora, muitas que tenho a felicidade de ter até hoje e que, com certeza, levarei para sempre. Já perdi as contas de desabafos mútuos, do quão difícil estaria a readaptação em nosso querido país.

Nos primeiros meses tive momentos ruins, de ver coisas que não funcionam direito em nosso país, da corrupção das pessoas, uma desordem e tanta! Até que em um auge elevadíssimo de stress e sentimento ruins tive uma conversa sincera comigo mesmo: "Thiago, a partir de hoje você não irá mais reclamar de nada". E foi a partir daí que as coisas começaram a melhorar. Comecei a ver tudo pelo lado positivo e reclamação zero. Eu tinha, naquele momento as pessoas que eu mais amo, minha família e amigos, tudo tinha que ficar bem!

O que marcou

Lavras. Ah Lavras! Eu era uma pessoa muito tímida! Tinha poucos amigos na cidade. Voltei pra lá em março. Sensação de ir para uma escola nova. Essa foi a mesma sensação que pensei que teria ao voltar. E posso falar uma coisa? 2015 foi o melhor ano que tive lá! Sabe por que? Por causa das pessoas, das amizades maravilhosas que fiz! Me aproximei de muitas pessoas, incluindo colegas de classe e professores.

Projetos, projeto e projetos. Comp Júnior, SETI, Iniciação Científica e PETI CSI. Esses projetos me ajudaram a desenvolver muitas skills profissionais e pessoais. Em especial, o SETI — Semana de Tecnologia da Informação, foi o projeto que me orgulho em ter feito parte da organização, juntamente com os amigos Bárbara Oliveira, Felipe Dias, Israel e o professor André Grutzmann. Foram meses e meses de reuniões e muitos, mas muitos pepinos para resolver. Não é facil organizar um evento desse porte (7 dias, mais de 40 palestrantes para organizar). Maior lição: ter uma equipe em sintonia, trabalhando em grupo e fazendo o que gosta faz com que tudo dê certo. E deu!

Durante o SETI tive a oportunidade de conhecer muitas pessoas e foi n o SETI que o PETI CSI me fez o convite de ajudá-los no projeto 40+. Um projeto que ensina informática para pessoas com mais de 40 anos. E, todas as terças, eu, juntamente com a Bárbara, éramos professores de informática para uma turminha maravilhosa, a maioria com mais de 65 anos! Outro desafio! A gente pensa que a informática é algo básico hoje em dia, mas muitos ainda não têm acesso. Estávamos todos muito emocionados no último dia de aula. Não esqueço da frase de um dos alunos: "Eu cheguei aqui praticamente cego, eu nunca tinha ligado um computador". Fácil para eles não foi, nem pra gente. Mas ganhamos muito com isso tudo!

Desafio de falar em público. Eu gosto de provar as coisas a mim mesmo. Gosto de provas que posso fazer algo que, em minha mente, é um obstáculo gigantesco. Uma das minhas vontades era de dar uma palestra para um público grande, mas na cabeça eu tinha um medo enorme. Encarei o desafio: apresentei não só uma, mas três palestras em um mesmo dia. 100 pessoas me ouvindo, mais um check na lista de desafios para o Thiago ex-tímido.

No início do ano, tinha em mente mais um projeto, e esse era bem desafiador. Já sabia da existência dos Google Developers Groups ao redor do mundo e, então, resolvi ir a fundo e ver como eu poderia trazer isso para Lavras. Sempre vi em Lavras uma cidade com pessoas altamente capacitadas, inspiradas e inteligentes.Queria ajudar a comunidade reunindo pessoas, seja ela com qualquer grau de escolaridade, gênero, profissão. Queria um grupo no qual as pessoas pudessem desenvolver suas habilidades, aprender e ajudar umas as outras. Ok, fiz todos os contatos possíveis para isso se tornar realidade. Me lembro no dia que o GDG Lavras foi aprovado (em meados de março), fiquei bastante feliz, mas na minha cabeça vinha uma preocupação: “ferrou, e agora? Como irei comandar isso tudo?” Dia 21 de outubro foi O DIA! Foi uma manhã inteira de palestras e conteúdos para a nossa comunidade! Que maravilha que foi! Ver aquelas pessoas, todas reunidas, em querer aprender e compartilhar! (Veja meu texto completo sobre o GDG aqui).

Fui morar em uma República, a Palácio das Cartas ou os Reis da chuva de granizo. Todos tocam, e eu enfiado em todos os acordes e cantorias. Quantos momentos bons! A gente tem a liberdade de escolher com quem a gente mora, mas as vezes a vida nos presenteia com grandes pessoas em nossa vida!

Eu poderia ser a pessoa mais frustada e depressiva desse mundo com o ano de 2015 (vi muitos amigos entrando numa bad por causa da volta do intercâmbio). Sabe de uma coisa? 2015 conseguiu superar 2014! 2014 passou e o que restou na memória foram as lembranças. 2015 foi um ano de reencontros, de sabedoria, de reflexão comigo mesmo em saber quem eu sou, de superar meus limites e de muitos, mas muitos momentos alegres!

Alegria x Felicidade

Sempre falo sobre essas duas palavrinhas ai, que possuem uma diferença enorme em minha vida. Alegria é momentânea. Felicidade é um estado interior muito forte. Você é feliz e pronto. Há momentos alegres e não alegres que ajudam na construção da felicidade. Mas ela tá lá, de alguka forma ou outra. Temos que ser gratos por isso.

Aprendi (ou reforcei em minha mente) em 2015 que:

1- Algo não está bom? Só nós temos o poder de mudar.

2- Você muda, as pessoas mudam, todos mudamos! Precisamos saber lidar com mudanças, nos faz crescer.

3- Respeito é fundamental, em qualquer circunstância.

5- Pensamentos positivos só atraí coisas boas.

6- Tem medo? Vai com medo mesmo! No final ou a gente ou ganha ou aprende.

E aí, já fez sua lista de desejos para 2016?

Se 2016 for do mesmo jeito que 2015 foi, tem problema não!

Para 2016

Tenho em mente as minhas metas para esse ano que está batendo aí na porta. Uma meta foi pensada ontem, e hoje saiu do papel e virou realidade. Nesse primeiro dia do ano, com muita alegria, lançarei meu site pessoal! Uma segunda meta era voltar a escrever. Eu tinha um blog, mas o abandonei há algum tempo. Esse primeiro texto aqui no Medium é a minha volta.

Que você tenha um excelente virada de dia! ops, ano!

Um abraço, Thiago.