EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO: MULTIDISCIPLINARIDADE, COLABORAÇÃO E COMPETÊNCIAS

Créditos: InfoGeekie

ESPECIALISTA EM GESTÃO E EMPREENDEDORISMO EDUCACIONAL, THIAGO CHAER ACREDITA QUE O MODELO DE ENSINO TRADICIONAL DEVE SE ADAPTAR PARA CRIAR JOVENS EMPREENDEDORES. ELE DESTACA A MULTIDISCIPLINARIDADE, A COLABORAÇÃO E AS COMPETÊNCIAS SOCIOEMOCIONAIS COMO O CAMINHO PARA INOVAÇÃO:

Dos mais novos aos adultos, mas sobretudo os adolescentes, nossos alunos têm um olhar muito peculiar sobre o mundo deles — sobre o mundo dos outros, onde estão pais, professores, instituições de ensino e a sociedade como um todo.

Este admirável mundo novo que todos procuram comprova que não se pode viver isoladamente; ainda que cada um tenha as suas próprias habilidades (sejam elas cognitivas, interpessoais ou intrapessoais) e determinadas aptidões mais afloradas, um ambiente excludente inviabiliza possibilidades de ensinar, aprender e empreender. O jovem que faz seu caminho para o mundo adulto também aprende a necessidade do coletivo.

A ESCOLA QUE ESTIMULA — OU IMPEDE — O EMPREENDEDORISMO

A complementaridade, afinal, deve fazer parte da educação para que o aprendizado seja global. Ensinar empreendedorismo requer juntar múltiplos saberes dentro de um propósito coletivo. Assim, se aprende a conhecer, a fazer, a ser e a conviver… As famosas competências socioemocionais.

Do contrário, impedir a integração colaborativa e coletiva é perpetuar o hiato entre a sala de aula e a “lado de fora”. Compartimentar, categorizar, dividir grupos e temas como se, na realidade, elas não se relacionassem, afasta ainda mais nossos alunos não apenas da escola, mas da possibilidade de empreender durante a vida.

A tecnologia já está inserida nos mais diversos ambientes sociais, dentro e fora da escola. Basta pensar na sua rotina (que provavelmente envolve celulares, computadores, caixas eletrônicos e compras online) para perceber que não temos como voltar. Porém, do ponto de vista humano, é possível avançar. Evoluir em prol de uma sociedade melhor, para um mundo realmente admirável, com uma nova escola, uma nova economia, uma nova educação — e a tecnologia como forma de apoiar e ampliar as ações humanas.

A reunião de múltiplas habilidades e competências não seria um caminho para aprender e ensinar os novos modelos de empreendedorismo? Não seria o professor uma pessoa capacitada para cocriar caminhos de integração entre o real e o virtual, o emocional e o racional, a criatividade e a inovação?

Esse é um caminho possível se nos desapegarmos da ideia de um modelo único de ensino e permitirmos que pais, professores e gestores escolares elaborem, em parceria, abordagens para uma aprendizagem personalizada, onde diferentes competências e habilidades, de fato, se complementam, se apoiam e se aprimoram reciprocamente. Talvez, na intersecção entre métodos, tecnologias, habilidades, competências e experiências, resida a oportunidade de estabelecermos um modelo educacional adaptativo, flexível para se moldar às diferentes necessidades de nossos estudantes.

Mais de Thiago Chaer: Empreendedorismo Educacional: Só escolarizar não é o suficiente

Artigo originalmente criado e publicado para a InfoGeekie:http://info.geekie.com.br/educacao-para-empreendedorismo/