Por cada Geni que vive entre nós

Pelo pequeno Alex, espancado até a morte pelo pai para ‘aprender a andar como homem’. Que toda família possa respeitar o jeito de ser de uma criança.

Pela Dandara, morta por ser travesti. Por Dona Francisca, mãe que chora a ferida aberta por não ter protegido a filha: “Minha maior dor é que ela chamou por mim. Enquanto batiam nela, ela dizia: ‘Eu quero minha mãe. Cadê a minha mãe?’ E eu não estava lá.”

Por Avelino Mendes, pai que transformou o seu luto em luta. Pela sua missão de percorrer o Brasil para conscientizar pais e mães sobre a a importância do acolhimento dentro do lar.

Pelo pai que teve sua orelha decepada por andar abraçado com o filho. Que nenhuma pessoa tenha que passar por essa situação.

Pelas pessoas perseguidas e mantidas em campos de concentração para homossexuais na Rússia. Que as autoridades internacionais se posicionem contra esse retrocesso que estamos vivendo em pleno século XXI.

Pelos pais que receberam ordem pra matar seus filhos na Chechênia e que, caso não o façam, serão os policiais a tratar do assunto com as próprias mãos. Que as famílias tenham sabedoria e força para lutar contra imposição cruel desse determinado setor da sociedade.

Pelas pessoas que já foram expulsas de casa. Que ninguém viva a solidão profunda de ser rejeitado pela própria família.

Pela menina que vive na escuridão do armário e se sente cobrada para se encaixar no padrão estabelecido pelo sistema. Que ela possa enxergar uma luz no fim do túnel para do lado de fora se sentir plena.

Pelo direito de expressar amor e andar de mãos dadas sem medo de ser agredido com uma lâmpada na cara.

Por todas pessoas que fazem da própria existência um ato de resistência. Para que cada pessoa tenha liberdade de ser o que se é.

Para que cada pessoa se comprometa em abrir mão de jogar pedra na Geni. 
Para que cada pessoa possa colocar em prática o principal mandamento de Jesus: “Amai-vos uns aos outros, assim como eu vos amei.” Que o respeito prevaleça e a fé em torno de um mundo melhor nos mantenha de pé.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.