Rachel, Nunca Esquecerei

Vivendo dentro da baleia: PARTE 1

Ainda bem que você atendeu. É. Eu mudei o número. Tu não atenderia mesmo. Espera. Não desliga. Deixa te falar uma coisa?
Teus olhos. Teus olhos. Não me deixa. Eu preciso te dizer e não me pede para ficar calmo.
Como você bebe o mate no café da manhã e a cerveja no bar no fim da tarde. Eu gosto de tudo em você. Teus cabelos rosas, assim, Rambo em missão de paz, assim, pronta para a guerra. Tua cara de dúvida. De tristeza. De você. De quando eu perdia o tempo comprando flores quando você preferia calcinhas. Comprei calcinhas com bordados de flores.
Do cheiro de perfume barato. Natura. Boticário. Quando eu coloquei aquela porra de Gio para mim e tu odiou. Cadê teu cheiro, homi?
Nunca Esquecerei.
Humor zero. Lástima dez. Firmeza de segurar bolsa no fim da tarde de quem perde tudo. Assim. Como quem perde tudo. E tu andou do meu lado aquele tempo todo. Procurando um lugar. Apenas para chegar. O fim da tarde. E teu caminho. Tua boca. Tua dança. Você. De regata do Flamengo slow dancing The Cure numa tarde quente de domingo. Tu não imaginas como és. Nem um pouco. 
Tua cara de sono quando está deprimida e quando a gente briga por amar mais do que o tempo e o vento e não me deixa ficar quieto. Eu preciso falar. Essas coisas que a gente faz sem saber por ter começado. Eu, bem feliz que tu veio que a gente começou que o Inferno é mais frio no verão ouvindo as âncoras da salvação e você no porão da minha mente batendo a bigorna com o martelo de ferro pesado pesado como quem tenta lembrar de tudo sem ponto sem vírgula sem fim eu ali brincando de três reis magos presente mirra esperma carinho errei muitas vezes a casa esqueci a chave quando tinha que voltar a gente ali pensando onde eu me meti onde mete por favor mete Teus Olhos Teus Olhos relutantes e lindos como sempre e agora acredito dessa vez é para sempre. Respira. 
Puuuuufffff 
arfa arfa 
iiihhhaaasssss 
Dói como um vulcão embebido de calor. 
Tu não tá entendendo nada. Eu tô parando. Mas eu não consigo. É tipo vício. Eu tô vício. Eu tenho Rachel aqui escrito todo no meu corpo. Essas tattoos dizem você all over. Porra, eu tô tentando ser coerente. Mas eu quero que tu entenda. Eu vivo dentro dessa baleia há muito tempo. Você me engoliu de tal forma que fiz casa dentro de você. Eu vejo uma luz e você espirrando água para fora mas… Eu não sei te deixar.
Nunca esquecerei, Rachel. Todo santo dia da tua existência-existência na minha vida enquanto tu me suportar tu tem pau na sua xoxota e você sentando o quanto quiser.

Desculpa. Eu calo a boca. Eu te respeito. Perdão. É. Eu sei que as pessoas não gostam de ouvir isso.

Mas é uma puta d’uma mentira.

A verdade é que ninguém tem coragem de falar o que sente. Eu? Ridículo. É sempre assim quando a gente tá com vontade de dizer as coisas. Rachel, vai tomar no cu! Eu falo o que quero e o que tenho vontade. 
Nunca Esquecerei.
Nunca.
Tu sabe o que quero.

Eu quero você de volta, sua puta. Desculpa. Não tô te xingando. É só um jeito carinhoso de te falar. Sabe? Tipo, amigo que chama o outro de viado.
Para você chamar de seu, eu me transformo em qualquer coisa.
Você só tá falando isso para desligar o telefone. Eu sei que eu tô confuso mas só quem tá desesperado vai entender bem o que quis dizer. Só quem ama é desesperado. E eu tô desesperado.
Diz que me ama? Tá bom. Não vou forçar. 
Tu promete que me liga? Mesmo?
Tá. Eu vou ficar aqui esperando. Eu posso passar aí para a gente conversar.
Não? Porque não? Tem mais alguém aí? Deixa eu te ver… tá. Eu espero.
Me liga?
Beijo, Rachel.
Ei.
Eeei.
Nunca Esquecerei.