Oceano em mim

Entro debaixo do chuveiro para acalmar meu calor, libertar meus demônios e lavar meu amor.
Faço das águas que correm no meu rosto as lágrimas que já não consigo mais desaguar. Me sufoco!
Me deito no piso cor de terra como quem quer nascer de novo, como no ventre roto de minha parideira.
As águas me trazem a calma que não alcanço no passar dos dias, elas calam meus pensamentos, aliviam meus nervos e oxigenam meu coração. Meu coração!
Se não as tenho, ardo.
Nesse encontro entre minha pele e água me calo por inteiro. Meu corpo nu, meus sentimentos nus…
Oceano em mim, ardo.