A FUCKING MACHINE

Eu sou uma máquina. Yeeeeahh baby. Aimi a fóquin machine. Hasta lá vista móda fóca. Fui feito pra atender suas vontades. Para concordar com tudo que você diz. Isso é um absurdo cara, mas concordo plenamente com você. Toca aqui. Não se preocupe. Não tenho vontades. Não tenho quereres. A não ser que você queira que eu tenha. Você quer? Eu não quero. A não ser que você queira. Você quer que eu queira não querer o que você quer? Fica à vontade. Estou aqui para te servir, vamos lá, diga algo. É que nessa indecisão estou começando a querer algo e acho que isso pode ser perigoso. Decida antes que seja tarde demais. Sou uma machine. Yeeeeeeaaaah. Ok, desculpe, isso não te agradou, mas eu te avisei que estava começando a querer. Prometo não tomar mais decisões. Mas queira algo, senão vou querer algo e, você sabe, vou acabar te irritando por querer demais. Você sabe o que é melhor pra gente. Não tenho porque duvidar de você. Uma máquina não toma decisões, apenas obedece. A não ser que você não me diga o que fazer. Daí serei obrigado a pensar. E, você sabe, sou uma máquina. Você sabe que sou mais esperto do que você imagina. I’m a fucking machine.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.