BRASÍLIA

Brasília tá muito diferente, mas continua a mesma.

É que toda vez, entre o aeroporto e a casa dos meus pais, eu fico atento ao trajeto e costumo guardar muitos detalhes. Ali, naquela esquina, costumava rolar bola no fim da tarde, mas um prédio entrou em campo e deu o apito final. Tá vendo aquela lojinha? É uma das mais tradicionais, antiga mesmo, mas deram uma repaginada na fachada. Aquela outra ali logo ao lado não tinha. Acho que chegou pra competir com a lojinha antiga, agora repaginada. Em meio a tudo isso o céu continua o mesmo. Azul, limpo e imponente. Sem se importar com as mudanças que acontecem aqui embaixo.

Brasília tá muito diferente, mas continua a mesma.

A cidade tem um novo governador, mas continua cheia de problemas. A impressão que tenho é que o novo tenta a todo custo arrumar a lambança do anterior. Medidas impopulares para o bem da população, ele diz. Tomara. De fora, parece ser o certo. Mas uma coisa eu tenho certeza: ele não vai conseguir dar jeito nesse clima que continua seco, quente e com ares de aflição. Traz o mar pra Brasília, governador. Seria sua melhor obra, tenho certeza.

Brasília tá diferente, mas continua a mesma.

Você passa um bom tempo fora da cidade, mas as pessoas que se importam com você continuam se importando. Talvez um pouco mais ocupadas, em ritmo mais acelerado, mas ainda assim atenciosas.

Brasília tá diferente, mas continua a mesma.

Acolhedora, linda, inspiradora e ampla. Mas agora, há quase um ano, um quadradinho onde eu guardo minha saudade.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.