A história do Jazz em Porto Alegre

Por: Bruna Perin, Matheus Wolff, Rodrigo Brasil e Thiana Ruiz

O Jazz é um gênero musical criado no início do Século XX em New Orleans, Estados Unidos. No começo o jazz era basicamente tocado por negros, pois tinha tradições religiosas afro-americanas. Os instrumentos básicos para tocar jazz são a bateria, instrumentos de corda e metais (trompetes e saxofones).

Um dos principais elementos no Jazz é a improvisação. Em Porto Alegre o jazz chegou nos anos 30, mas só começou a ganhar força nos anos 40 com a bateria. Nos anos 40 surgiu em Porto Alegre o primeiro grupo de jazz, na Rádio Farroupilha, era um quinteto que tocava jazz na rádio.

No final dos anos 50, surge um tipo de formação musical muito particular daqui, que são os conjuntos melódicos. As principais influências do jazz na época são dois caras: George Shearing (1919-2011) -pianista cego londrino- e o acordeonista americano Art Van Damme (1920-2010). Esses dois músicos de jazz influenciaram uma geração inteira nos Anos 50 aqui em Porto Alegre como: Breno Sauer, Conjunto Flamingo, Conjunto Flamboyant, que foram conjuntos que tocavam música brasileira, samba, mas num formato mais jazzístico. Conversamos com o jornalista Paulo Moreira, que nos explicou o início do Jazz em Porto Alegre.

Nos anos 60, começam a surgir vários grupos melódicos de jazz em Porto Alegre: o principal deles é o pianista Adão Pinheiro (1956-2013) que tocou no conjunto Jazz 6, do escritor Luis Fernando Veríssimo. Alguns nomes do jazz gaúcho decidiram sair do país, o principal músico de jazz que nasceu em Porto Alegre foi Manfredo Fest (1936-1999) que foi para os Estados Unidos e foi contratado por gravadoras importantes, tem uma discografia bem grande. Ele começou sua carreira inicialmente em São Paulo, compondo um quarteto, nos anos 60, chamado Sambeatles, que era uma mistura de samba-jazz com músicas dos Beatles. O Breno Sauer (1929-2017) também foi para os Estados Unidos, lançou vários discos, pianista, formou o quarteto Jazz Bossa Nova.

Nos anos 1970/80 surgiram grupos em Porto Alegre que misturavam jazz com outros gêneros, se destacaram dois grupos: o Raiz de Pedra que misturava o jazz com rock. E o Cheiro de Vida com ritmos de jazz-funk. O integrante da banda JazzGig, Gustavo Pessota, conta de suas influências no jazz. Ambos tinham muito público, lotavam teatros, lançaram muitos discos. O Raiz de Pedra acabou indo para a Alemanha, lançaram um disco lá com participação especial de Egberto Gismonti, depois o grupo acabou. Já o Cheiro de Vida foi para o Rio de Janeiro, terminaram acompanhando outros músicos, até que o grupo acabou também. Paulo Moreira comenta sobre os anos 70/80 do jazz em Porto Alegre.

Nos anos 80 surgiu também o Clube de Jazz Take Five, fundado por Ivone Pacheco em sua casa no bairro Petrópolis em Porto Alegre. O clube se baseava em improviso e liberdade artística, lá vários músicos se reuniam para tocar jazz improvisado. A própria Ivone acompanhava os músicos no seu piano místico. O nome do clube é uma homenagem à música de Dave Brubeck, uma das preferências por todos os jazzistas. O Take Five é um ponto de encontro de músicos que gostam de jazz, funciona como um laboratório de música, reunindo músicos de diversas gerações. Não é um bar ou um espaço comercial, é um espaço cultural, quase oculto, secreto, é para quem sabe, para o amigo do amigo. O jornalista Paulo Moreira, amigo de Ivone Pacheco comenta a importância do Take Five ao jazz gaúcho . Neste ano, o Take Five completa 35 anos de existência.

Mas quem é o grande nome do jazz gaúcho? Os nomes mais citados sempre são Manfredo Fest, Breno Sauer e Adão Pínheiro, porém o jornalista e músico Arthur de Faria pensa de um jeito diferente e surpreendente quando perguntado sobre o grande nome do jazz gaúcho.

Antigamente, nos anos 50/60, o jazz era tocado em bordéis e casas de prostituição no centro de Porto Alegre, alguns localizados na Rua da Praia. Nos anos 70/80 começaram a existir bares na Cidade Baixa onde se tocavam vários tipos de música,onde o jazz se destacava. A Sala Jazz Tom Jobim e o bar Alambique também marcaram uma década. O bar Lugar Comum foi um dos mais famosos nos anos 80.

Atualmente, podemos encontrar vários lugares para ouvir jazz em Porto Alegre, Arthur de Faria comenta os principais lugares de jazz em Porto Alegre. Destacam-se o Café Fon-fon que é comandado pelo casal jazzístico Luizinho Santos e Bethy Krieger, o bar localiza-se na Rua Vieira de Castro, bairro Farroupilha. Outro local antigo e de muita tradição com o jazz é o Odeon, na Rua Andrade Neves, no Centro Histórico. Alguns bares mais novos se destacam também como London Pub, na Cidade Baixa ; InSano, na Cidade Baixa e o Studio Clio.

Odeon Snack Bar, no Centro Histórico
Arthur de Faria ainda foi perguntado sobre a procura e demanda do jazz nos dias de hoje, Arthur é jornalista formado pela FAMECOS e músico/compositor nos dias de hoje. Arthur nos concedeu a entrevista em seu apartamento e ainda deu uma canjinha pra nós em seu piano.

E quem são os grandes nomes gaúchos do Jazz atualmente? Nos dias de hoje surgiram diversos conjuntos, trios e quartetos. Muita gurizada com menos de 30 anos começando sua carreira no jazz. Dentre os conjuntos mais conhecidos nos dias de hoje destacam-se o “Kula Jazz”, e o “Marmota Jazz”. Ainda em atividade tem alguns conjuntos/músicos, como : Jorginho do Trompete, Jazz 6, Edu Saffi, Luiz Mauro Filho, Jazz Gig, entre outros.

O conjunto JazzGig foi criado em 2004, e é originário daqui de Porto Alegre mesmo, costumam tocar no Odeon e na biblioteca pública. Interpretam versões para standards do jazz e clássicos da música instrumental brasileira. Conversamos com o conjunto no dia 25/04, eles iriam tocar na Biblioteca Pública de Porto Alegre, com o espetáculo Chapéu Acústico. Eles fizeram uma passagem de som especialmente pra nós.

A Marmota Jazz conversou com a gente sobre as novas tendências do jazz. Para Bruno, 28 anos, baterista da banda, o jazz lhe deu uma oportunidade de aprimorar sua música. “O Jazz permite que nos tenhamos uma integraçāo grande com o público”

Por ser um estilo musical clássico o Jazz abrange um público de todas as idades. Há dois anos atrás, o gênero musical voltou a fazer sucesso entre os mais jovens. Tendo tocado em casas de festa como o cafe fonfon e o bar odeon.

Para os amantes de jazz, e para os que estāo começando a apreciar o gênero, segue aqui nesta reportagem algumas dicas e um pouco da história do jazz em Porto Alegre. O jazz contagia por ser diferente dos outros estilos, pois é uma mistura de todos. Disco Music Funk, pop, rock, samba, bossa nova. O jazz reúne e se diferencia dos outros pois tem a improvisaçāo e a espontaneidade, juntam-se músicos que pouco se conhecem e já sai uma Jam Session.