Nasci

Não tinha ideia de um texto que pudesse estrear aqui por essas bandas. Decidi começar pelo começo e me apropriei de um texto que já tinha escrito.

Todo ano é a mesma coisa. Sempre escuto a história do garoto que nasceu um dia depois da consolidação do Plano Real, naquele 1 de julho de 1994.

Dona Mônica trabalhou o dia inteiro na sua bomboniere de bairro. Depois da labuta havia decidido converter o preço dos produtos para a nova moeda. Cada quantia de 2.750 cruzeiros reais passaria a valer um real.

Números pra cá, etiquetas pra lá e a calculadora sempre à mão. O trabalho terminou tarde, já era madrugada.

Ao se deitar na cama, a comerciante sentiu fortes dores na região abdominal. Era o tal garoto que escolheu o 2 de julho para nascer.
Familiares sempre zombeteam esse garoto por ter escolhido uma data tão emblemática para vir ao mundo. "Você podia se chamar Realino."

E esse ano não foi diferente. A brincadeira, que antes desagradava o garoto, surgiu logo na véspera.

"Esse nome é muito feio", ele dizia. Só que dessa vez ele não se importou. Ele sabe que o desejo da mãe foi que o filho tivesse o nome do personagem da novela. "Ele vai se chamar Caíque.

Caíque Alencar

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Caíque Alencar’s story.