Um velho Lucky Strike e um belo Cappuccino incensando o quarto. No ar, notas de Thelonious Monk e seu Jazz orgásmico (recomendo a faixa “Blues Five Spot”).

Ainda te dou de bandeja…

Na cama, ela se contorce, a cada nota que toca em si mesma. Mão frenética escorregando por entre pernas levemente fechadas (“pudor?”, penso, soltando uma risada). Os cachos chicoteiam o ar, no ritmo do piano. O corpo vai serpenteando em movimentos soltos e firmes. Gemidos disputam o ambiente com o sax, ganhando por um suspiro de vantagem. O tom vai se elevando, em busca do gran finale, que chega trazendo uma respiração pesada e algumas gargalhadas, oriundas da insanidade do orgasmo. Depois do gozo, ela me olha, ainda com o olhar da “morte em vida”, me tasca um sorriso na cara e diz, com voz de dengo:

- Vamos fazer uma Jam Session, my backdoor man?

Hoje, eu mereço. Hoje eu mereço!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.