Releases de Segurança

Com o Node e Webpack não foi diferente.

11/07/2017

Recentemente dois grandes projetos receberam releases de segurança por questões de vulnerabilidades. O primeiro foi o Webpack que permitia um agente malicioso executar um ataque conhecido como man-in-the-middle e o segundo foi o Nodejs, que desde a sua versão 4.x tinha problemas de DDOS e recentemente de Constant Hashtable Seeds.

Este artigo pretende levar o tema de Segurança para quem não tem muito conhecimento, e mostrar que casos de vulnerabilidade são mais comuns do que se imagina, fique esperto!

Webpack & Preact CLI

A vulnerabilidade foi descoberta pelo Mike North após o live streaming do Google I/O deste ano, onde o Addy Osmani apresentava uma série de ferramentas do ecossistema das Progressive Web Apps. Parte dessas ferramentas precisam que a aplicação seja servida sobre o protocolo do HTTP/2, que atualmente não requer criptografia e é aconselhado que seja implementado apenas para conexões TLS, na prática apenas para conexões seguras, as que utilizam HTTPS.

Para um perfeito funcionamento, conexões HTTPS precisam de um certificado.

E para que nao houvesse problemas na utilização da ferramenta, o Jason Miller, criador do preact-cli, acabou gerando e incluindo um certificado ao projeto, porém contendo a sua chave privada. A mesma escolha de gerar um certificado foi tomada pelo pessoal do webpack-dev-server que também exibia a chave privada de quem gerou o certificado.

https://twitter.com/michaellnorth/status/877202039394230272

É ai que está a vulnerabilidade por trás do ataque!

Man-in-the-Middle

O MITM como também é conhecido, consiste em um agente mal intensionado “se posicionando” entre duas partes que estão tentando se comunicar, interceptando as mensagens enviadas e depois se passando por uma das partes para ter acesso a informação transmitida.

No caso do Webpack e Preact, alguém com um pouco mais de experiência e conhecimento, poderia utilizar o certificado gerado para se passar como agente confiável, obtendo toda a troca de informações de quem utilizasse uma determinada rede. Este cenário poderia ser facilmente aplicado em redes fechadas, caso algum usuário mal intencionado tivesse acesso a um roteador configurado de forma errada.

Esta vulnerabilidade permite que um agente mal intencionado possa facilmente observar e manipular todo o tráfego entre domínios sobre HTTPS sem que ninguém saiba, tornando todas as informações e dados inseguros.

Como se prevenir?

Como tentativa de mitigação de ataques do tipo MITM, um bom começo seria a utilização de HTTP Public Key Pinning, que nada mais é do que um header que associa uma chave pública no cliente com um servidor. Evite a transação de informação sigilosa ao utilizar redes wifi públicas. Se possível utilize o HTTP Strict-Transport-Security para informar ao browser que a sua aplicação deve apenas se comunicar sobre HTTPS, sendo uma das funcionalidade de segurança implementadas pelo header.

Nodejs

Alguns serviços como o Heroku, por exemplo, entraram em contato com quem tinha alguma aplicação node rodando, solicitando que atualizassem assim que possível.

https://twitter.com/JeremyMorrell/status/884837533531734017

Para um melhor entendimento do que aconteceu, faz-se necessário compreender alguns conceitos como o do Hashtable.

Hashtable

É uma estrutura de dados que implementa um array associativo, podendo mapear chaves para valores. Basicamente é um grupo de listas linkadas ou linked-lists que devem ser pequenas para não comprometer seu desempenho, sendo utilizada em HTTP headers, representações JSON e em Sets, Objects e Maps.

Hashtables utilizam uma função hash, que mapeia dados com um tamanho arbitrário para um tamanho fixo e os valores retornados são chamados de hashes. A idéia é distribuir os pares de chave/valor em uma série de buckets, onde dada uma chave o algoritmo computa o index, que sugere onde a entrada pode ser encontrada.

https://en.wikipedia.org/wiki/Hash_table

A brecha existia porque o suposto “random seed” que era utilizado na função hash, sempre era constante e nunca era alterado entre cada nova versão do Node. Durante o processo de compilação do node, o V8 obtém snapshots do contexto de onde foi inicializado e reutiliza no seu próximo boot, tudo isso para tornar as coisas mais rápidas.

Uma vez que o agente mal intencionado obteve acesso ao seed, ele pode facilmente saturar uma linked-list, acabando com seu desempenho.

https://twitter.com/nodejs/status/884822255032823810

Até que outra solução seja implementada, a melhor escolha até o momento foi desabilitar por default os snapshots, onde provavelmente irá resultar em uma regressão de performance.

O outro problema encontrado foi relacionado a DDOS que por se tratar de um ataque mais conhecido, não irei entrar em detalhes neste post.

Como se prevenir?

A principal recomendação é para atualizar a versão do Node nos projetos que você trabalha, uma lista completa com os patches foi disponibilizada no próprio site deles.

Ambos os releases que corrigem essas brechas de segurança já foram disponibilizados. Para o Preact-CLI você pode acessar este link para obter o release, já o Webpack-dev-server você pode utilizar este link e para o Nodejs você pode consultar este link e procurar pelos releases lançados no dia 11 de julho de 2017.

Caso queira consultar mais materiais na internet que estejam falando sobre este assunto, seguem alguns links:

Se você leu até aqui, é porque parece que realmente se interessa pelo assunto. Deixo para você o convite de leitura do meu próximo artigo, que será uma introdução sobre Segurança de Aplicações Web, onde irei abordar conceitos iniciais sobre vulnerabilidades, quais as referências que você pode seguir e como dar os primeiros passos neste mundo.

Agradeço ao Giovanni Keppelen, pela revisão.

Gostou do texto? Já passou por alguns dos problemas mencionados? Clica no ❤ ou faz um comentário relatando e vamos bater um papo legal. Cheers! 🍺