Mateus Goethe
Sep 21, 2018 · 9 min read

Tiago, bom dia. É sempre bom ver um texto escrito por alguém que não gosta do Bolsonaro e faz mais do que atacar e soltar os mesmos argumentos sem sentido; você até foi mais longe, não se limitando a usar as frases soltas e fora de contexto que o “bolsohater” médio usa o tempo todo. O tom do seu texto é o de alguém disposto a conversar e debater, e mantive essa opinião até chegar nessa parte:

Eu discordo de todos os posicionamentos ideológicos de Bolsonaro, e vejo como totalmente absurdo ele defender a ditadura, a tortura e o fato de ele enunciar palavras de cunho racista e homofóbico. E adoraria poder discutir acerca de tudo isso com você, para ver se consigo te convencer a mudar de ideia quanto ao apoio conferido a essas medidas.

Vamos discutir pra buscar a verdade ou pra você convencer as pessoas de que quem está certo é você? Ora, eu mesmo vou votar no Bolsonaro, mas tenho minhas dúvidas e posso ser convencido a qualquer momento de que ele não é a melhor opção no momento; basta que me apresentem argumentos que me convençam. Infelizmente, não é essa postura que vejo aqui; você parece ter total certeza de que Bolsonaro, além de não ser bom político, é mau e propaga discurso de ódio.

Provavelmente, você tem uma resposta pronta para cada uma dessas declarações…”

A forma como você apresenta essas coisas deixa uma coisa clara: você sabe que nós temos razões pra crer que essas coisas não são discurso de ódio, mas discorda delas. E tenho que dizer que tem bastante desonestidade em algumas das suas razões. “pois se alguém não merece ser estuprada, fica implícito que outras o merecem, em sua visão.” Não acho. Não é nem porque ele estava defendendo castração química para estupradores, mas porque ele estava no meio de uma entrevista e foi interrompido por uma mulher que o acusou de apoiar estupro(e de ser um estuprador), enquanto defendia que Champinha, um menor que matou um casal (depois de ter estuprado a moça) deveria ser preso e julgado como adulto.

Sempre que alguém diz que ele faz apologia ao estupro, imagino a seguinte situação:

Bolsonaro: “caramba que tédio, nada pra fazer… diazinho chato…”
Eduardo: “ae paizão, a taxa de estupros acabou de subir 3,7%”
Bolsonaro: “AEEEEEEEEEEEE URRRUUUUUU!!!!!!!111!! *beija foto de Adolf Hitler*”

Esse “fica implícito” é a sua interpretação. A minha é a de que ele deu uma resposta indignada a uma mulher que o interrompeu, chamando-a de feia. “Fica implícito”; em outras palavras: “eu, na minha cabeça, penso dessa forma”, e não pode ser usado como condenação. Quando uma mulher diz “não mereço ser estuprada”, ela não implica que as outras mereçam: ela está simplesmente mostrando um fato e, no caso, fazendo um protesto.

Ele apoia tortura em casos extremos, como quando você captura um terrorista que não quer dizer onde plantou a bomba que vai explodir e matar dezenas de pessoas ou captura um estrategista que sabe os planos do general nazista. Quando se critica Bolsonaro por “apoiar tortura”, é como se achassem que ele vai pegar pessoas na rua e torturá-las “a torto e a direito”.

Quanto à homofobia, todos os seus argumentos nessa questão podem ser resolvidos se lembrarmos que, pelo menos na época em que foram ditos, Bolsonaro considerava que homossexualidade é comportamental. Ele acreditava que, se o filho for criado num ambiente heterossexual, não se tornaria gay. Mas meu principal argumento contra isso é que homofobia é uma palavra muito forte; uma pessoa homofóbica não suporta homossexuais, os detesta pelo simples fato de terem a preferência sexual que têm e não os trataria como iguais. Por que, em vez de se preocupar com falas ambíguas e amplamente discutidas, não focamos em ações? Você vê Bolsonaro abraçando homossexuais e conversando normalmente com eles, tem a entrevista com Karol Eller, aquele momento com o Amin Khader, as palavras mutio honrosas que fez ao Clodovil… a própria polêmica com a Ellen Page (uma entrevista de mais de uma hora que foi editada e condensada num vídeo cheio de cortes) mostra que ele não tem problema nenhum em lidar com homossexuais.

Por isso, não consigo vê-lo como homofóbico. Não é uma piadinha que ele fez há alguns anos que vai mudar tudo o que VI ele fazendo a respeito de homossexuais.

Depois disso, você apresentou seus motivos pra discordar dele como político (confesso que é a primeira vez que faço isso; é ótimo ter a oportunidade de discutir isso com alguém!). Queria fazer ressalvas a alguns deles:

1) Posicionamento Ideológico Contraditório.

Sua principal crítica é que ele muda demais de opinião. Mas não seria isso uma coisa humana? Já dizia Pascal: “Não me envergonho de mudar de opinião, porque não me envergonho de pensar”. É claro: um homem fluido demais em suas convicções na realidade não tem opinião nenhuma. O problema é que você comparou coisas que ele disse em 1999 com falas de 2016; se um ano já é o suficiente pra opinião de alguém ter sofrido algum tipo de mudança, o que dizer de 17?

Eu adorava o Lula em 2006, era a favor do desarmamento e meu filme favorito era Harry Potter. Hoje, penso muito diferente.

Também não acho que seu posicionamento seja muito “volátil” pelo seguinte: nesses últimos anos, a opinião dele a respeito de armas, aborto, casamento homoafetivo, drogas, religião, cotas, polícia, segurança etc… permaneceu a mesma ou mudou pouco.

(Quanto á parte de ser patriota, essa não tem o que responder: eu só aceito e perdoo. Amo muito meu país, mas admito que eu iria cogitar sair dele se as coisas esquentarem demais)

2) Deputado Medíocre: a relação com o Legislativo

É realmente um problema grave ele não ter tanto apoio dos outros deputados (longe de ser o suficiente pra me convencer a não votar nele!). Mas não vejo relação de causa e efeito entre as seguintes afirmações:

Mas pelo menos ele trabalha na Câmara há 26 anos, e por isso é de esperar experiência de sobra no trato com o Legislativo, certo? Errado.

Mesmo estando há duas décadas no cargo de legislador, apenas dois de seus projetos foram aprovados no Congresso Nacional, de um total de 171 propostas diferentes apresentadas.

O próprio Bolsonaro já disse que, muitas vezes, seus projetos são recusados simplesmente porque os deputados não gostam dele. Que ele às vezes sugere propostas pra outros deputados assinarem, porque “se tiver meu nome, não sai”. De qualquer forma, acho que a melhor forma de se abordar isso é indo no site da câmara, ler as propostas dele e julgá-las pelo que são; e não pelo fato de terem sido recusadas.

3) É tão corrupto quanto alguns que acusa de serem corruptos.

Não quero dar a entender que estou “passando pano em tudo”; se está lendo até aqui, espero que esteja acompanhando com a certeza de que, se escrevi uma coisa, é porque acredito nela e penso que ela justifica (ou, pelo menos explica) algo.

É um fato que você não pode ser presidente do Brasil sem estar num partido. Não adianta querer começar um partido político chamado Paladinos da Justiça (PJT) e esperar competir com gigantes como PT e PSDB; ele teria que entrar em algum, e teria grandes chances de ele ser corrupto. Bolsonaro pediu dinheiro pra campanha porque precisava fazer campanha; se a JBS não tivesse doado 200 mil pro Bolsonaro devolver, o dinheiro teria vindo de outra fonte provavelmente corrupta. O que ele deveria ter feito? Jamais pedir dinheiro ao partido enquanto outros candidatos pedem dinheiro aos partidos deles e se tornam conhecidos pelo povo?

Que fique claro: não sei se a situação foi “Bolsonaro devolveu 200 mil no dia 10, aí no dia 11 pediu 200 mil pro partido”; se foi, eu condeno, acho uma coisa ruim. Meus motivos pra votar num candidato envolvem o quanto eu concordo com as ideias dele e o quão honesto ele é. Se Bolsonaro for mesmo culpado disso que você fala, será um mal que ele cometeu, mas será o único que vi ser comprovado e, ainda assim, ter pego 200 mil do partido não vai me convencer a votar no Haddad ou Ciro (que possuem chances reais de bater o Bolsonaro nessa eleição).

Além disso, Bolsonaro atua no limite da ética e de forma pouco meritocrática: ele e seus filhos empregaram, nos últimos 20 anos, uma ex-mulher do parlamentar e parentes dela também. Não só isso: a sua atual esposta também recebeu emprego sustentado por dinheiro público, antes da prática se tornar ilegal através de uma súmula do Supremo em 2008.

Sua primeira frase adiciona uma opinião pessoal sua. Ele e seus filhos empregaram uma ex-mulher do parlamentar e parentes dela. Isso é errado… de que modo? Um parlamentar não pode contratar parentes para cargos de confiança ou para trabalhar com ele? Até 2008, podia; tudo o que fez está dentro da lei e a própria matéria citada no seu link diz que o caso “não pode ser enquadrado como nepotismo).

(Um comentário: fico feliz de ver sua honestidade, ao não dizer que “ele tem 3 filhos da política e por isso pratica nepotismo”. Todos sabemos que seus filhos se candidataram e as pessoas votaram neles porque queriam! Mas se ele tivesse colocado a ex-esposa e parentes para assumir cargos como esse, aí sim seria nepotismo… não?)

Infelizmente, por mais que eu deteste admitir que ajo assim, sou um cara orgulhoso: sempre que leio um artigo falando pra pessoa não votar no Bolsonaro e leio as palavras “imóveis 15 milhões Copacabana” aparecendo juntas, eu paro, respiro fundo, jogo “Bolsonaro imóveis desmascarado google” e volto a ler. Se o argumento usado dessa vez for verdadeiro, apago os links e quebro minha cara. Isso nunca aconteceu, então vou deixar os links aqui pra não alongar mais minha resposta:

Assim, caro apoiador do Bolsonaro: será mesmo que é ele a melhor opção para ocupar o cargo de Presidente da República? Ele é alguém que não vê problemas em gastar o seu dinheiro com viagens aéreas para fazer campanha eleitoral; que mente sobre ter recebido dinheiro da JBS; que não é um verdadeiro patriota; e que tem uma opinião mais volátil que o preço da Bitcoin.

Separei essas frases em negrito pra falar um pouco sobre elas. Você pergunta se ele é a melhor opção dentre todos os brasileiros possíveis? Se for isso, a resposta é bem óbvia. Claro que ele não é, tem muitos defeitos e falhas, alguns graves demais para que ele seja a melhor opção de todos. Mas dentre as opções que temos? Com sinceridade: eu não voto nele por “falta de um candidato melhor”, mas porque, comparando com os que temos, ele não só é claramente (para mim) a melhor opção como está longe de ser uma opção realmente ruim.

Gastar dinheiro com viagens aéreas pra se promover é algo que eu não reclamo também. A política do nosso país é feita de um jeito que os partidos obtém dinheiro público e fazem o que quiser com ele; como eu disse, o Bolsonaro precisa de um partido e precisa de dinheiro do partido. Não é como se ele tivesse ativamente desviado algumas centenas de milhares para si e depois fingido que o dinheiro apareceu do nada.

Enfim, como considerações finais, peço desculpas antecipadas por duas coisas: o tamanho do comentário e por alguma exaltação que eu posso ter tido aí atrás. Quero chamar atenção, novamente, pros seus últimos parágrafos, sobre escrever pra “ver se consigo te convencer a mudar de ideia quanto ao apoio conferido a essas medidas”. Isso passa uma idéia muito forte de arrogância e autoridade, como se você já soubesse de antemão que ninguém será capaz de encontrar algo que vença seus argumentos. Talvez eu esteja levando ao pé da letra demais, mas… vou invocar a trapaça aqui e dizer que, se você aceita “você não merece ser estuprada” como prova de que ele gosta muito que pessoas estuprem, tem que aceitar eu ver seu trecho da forma que vejo.

O simples fato de eu fazer um texto deste tamanho depois de ler essa carta prova que sua carta não é à prova de respostas; não é que eu esteja certo e você errado, é só que seus argumentos, da forma que foram apresentadas aqui, não são fortes o bastantes para serem tidas como certezas irrefutáveis.

Não alimento ilusões, não espero te convencer a votar nele. Mas quero que pense que eu, mesmo depois de te responder com argumentos que para mim são muito poderosos, sei que você poderá discordar deles e talvez apresentar respostas ainda melhores que as minhas. Não é assim que todos devíamos pensar?

Espero sua resposta!

    Mateus Goethe

    Written by