Sol está 3 metros mais perto de Maceió

Foto: reprodução Wikipedia

Ao meio-dia torna-se fácil perceber que o sol realmente está mais próximo de Maceió, afirma especialista. A temperatura média da cidade subiu abruptamente neste ano de 2017 e um evento raro foi a chuva perimetral, fato natural causado pela alta temperatura encontrada no terreno da capital alagoana, fazendo com que a água das, outrora comuns, chuvas de verão evaporem antes de chegar ao solo da cidade e apenas molhem o entorno dos limites municipais.

O estudo científico, intitulado de Calor da boba da peste, dirigido pelo Phd em Meteorologia, doutor em Astrologia e professor universitário, Arlindo Dantas, através de medição galática-estelar pelo olhômetro, observação das aves urbanas e medição de gostas de suor por pessoa, chegou à conclusão de que a estrela mais importante da via-láctea, o Sol, aproximou-se 3 metros de Maceió. Desencadeando ar mais seco, nuvens escassas, pessoas esbaforidas e quedas de pressão entre os cidadãos.

Segundo Arlindo, “Ainda não estão claros os motivos que levaram o sol a aproximar-se apenas de Maceió. Porém, eu ainda me encontro cético acerca desta afirmação, algum turista chegou num dia raro de temperatura amena na cidade e proferiu que o Sol tinha medo de Maceió. Não por outro motivo sabido, a estrela, um tanto quanto egocêntrica, como a maioria dos astros, aproximou-se para provar o contrário e desde Janeiro não se afastou”. O estudioso, com ajuda de alguns estagiários, lançou uma campanha no Facebook para encontrar o tal turista, no entanto recuou, por temer um possível linchamento do mesmo. “As pessoas estão sofrendo com os, agora comuns, 40º C diários, daí poderiam vingar-se do turista”, afirma.

A reportagem foi em busca de pessoas no bairro do Farol, parte alta da cidade, para saber como elas estão se sentindo depois da aproximação do Sol. Maria Caça Mortalha, assim que viu o carro de reportagem nos questionou se havia acontecido algum homicídio nas proximidades e aproveitamos sua presença para entrevistá-la. “Tá mais quente mesmo. Eu sinto isso quando vou trabalhar, o ônibus parece um forno e as pessoas fedem mais, é uma subaqueira triste. Mas será que alguém não morreu por causa desse calorzão todo? Eu acho que já já alguém bate as botas”. Maria avistou um carro do Instituto Médico Legal de Alagoas (IML) e correu, sem titubear, em direção ao mesmo.

Logo após a entrevista de Maria, a equipe se deslocou até a praia de Ponta Verde, onde, no Alagoinhas, encontramos alguns jovens e perguntamos a Adrílson Nóia se ele tem sofrido com o aumento da temperatura. “Oxe, garotão, eu tô de boa. Se tá calor eu venho pra praia, véi”. Ainda na parte baixa da cidade, perguntamos a um cliente dos famosos quiosques elitizados da orla, se ele vinha sofrendo com o calor na cidade. “Olhe, eu acredito que isso seja culpa do PT. Esta quadrilha disfarçada de partido é que tem culpa. Além do aumento da temperatura, eles aumentavam salário mínimo, bolsa-família, também a quantidade de pessoas nas escolas. E este Estado está gordo, tem que privatizar. Inclusive, privatizar o sol, porque se for para todos, aí quem ganha com isso?”, indaga Gilvan Babaquis. Alguns dos amigos de Gilvan levantaram-se e pediram as panelas da cozinha do bar, começou então um protesto, com aproximadamente 25 pessoas, contra o Sol público. Os protestantes repetiam que o sol não deve ser para todos.

O médico-legista do IML, Joaquim Estranho, contou que duas pessoas morreram por causa da elevada temperatura. “Veja bem, as pessoas deveriam ficar em casa. Pois o Sol é um perigo, o melhor mesmo é sair durante a noite, a depender de onde você more. Porque se morar num bairro periférico, a polícia pode prender ou espancar”, conta. Pedimos para olhar as fotos das duas pessoas levadas a óbito por causa do Sol e Joaquim nos mostrou, a equipe questionou o motivo dos dois corpos terem perfurações por arma de fogo e o médico informou que tais perfurações eram comuns em Alagoas. “Isto é perfeitamente comum, sobretudo em Maceió, tem mais gente tomando tiro do que levando picada de mosquito”, informa.