Remédio

Acabei de descobrir esse site com nome em inglês. Pensei em registrar por aqui alguns pensamentos, idéias, diálogos encontrados pelos cantos, olhares. A internet tem coisas maravilhosas, mas para mim, no final das contas, tudo se parece. A textura é a mesma. O cheiro é idêntico ao outro site. Mesma luz. Quase a mesma sensação.

Pensei em pensar que acabei de encontrar um caderno meio sujo no chão. Na capa dele escrito um nome em inglês “Medium”. Deve ser um marketing promocional de algum remédio, pensei. Algumas folhas estavam rasgadas e outras com falhas e areia. Achei bonito e diferente. Gosto dos erros. Os erros eu carrego comigo, as vitórias tenho que dividir com todo mundo. Vou escrever umas coisas nele, decidi. Uns pensamentos, diálogos encontrados por aí feito esse caderno. E daí que tem o nome de um remédio na capa? Assim, fica até protegido de curiosos de primeira viagem. Falta um lápis para rabiscar sem compromisso. De repente, isso até faz o tempo parar e eu encontro ela de novo.

Se pudesse tinha ficado ali do lado dela sem agonia mas passava tanta coisa na minha frente que nem percebi minha partida. Eram muitas histórias e conversas que mudavam a cada instante um fato novo sabia que o buraco no cabo da panela serve para apoiar a colher de pau? Ia ser um agora mais completo mas nada ficou além dela nem eu e tinha um vídeo de uma transsexual espancada até a morte que mundo é esse meu Deus e eu fui no mundo sem ela.

Se eu pudesse tinha ficado lá do lado. Se eu tivesse encontrado esse caderno antes. Só escreveria declarações de amor. Dessas que param o tempo. E quando eu vejo é agora. Não tenho qualquer compromisso. Estou livre. Vamos perder uns diálogos pelos cantos?

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.