Evangelho puro, simples e “sem graça” que ninguém quer

Certa vez um homem orou à Deus:

Por quê? Por que é assim?
Eu achei que se eu fosse um homem bom você olharia pra mim. Achei que se eu orasse mais ou fizesse mais jejuns na semana, tu agiria de uma maneira especial a meu favor.
Achei que se eu caprichasse no meu ministério, ganhasse popularidade e fosse cada vez mais bem falado, tu se orgulharia de mim e priorizaria minhas orações.
Eu esperava que depois de tantos domingos indo aos cultos, sem falta em um único domingo sequer, tu me honraria da maneira que eu mereço. Sinceramente não entendo essa sua injustiça comigo.
Honestamente achei que depois de tanta gente que eu levei pra ti e se converteu, eu seria alguém pra ti, afinal, tenho feito tudo pra ti com excelência. Tenho me destacado entre os demais membros da igreja.
Eu investi muito no teu reino! Meu tempo… meu dinheiro… meus talentos… meus dons… sempre te defendi quando alguém fez piadinha de crente… mas por que agora isso? Por que me trata como um qualquer?
Por quê? Por que tu não me olha aqui fazendo tudo isso? Parece que tá me ignorando de propósito.
Eu tenho obedecido a tudo o que a Bíblia tem falado! O que mais me falta fazer?

E Jesus respondeu a ele:

Se você quer ser bom mesmo e me seguir, seja como eu: renuncie tudo o que você tem e dê a quem não tem. E se tudo o que você fez foi “pro reino” então o crédito é do reino! Renuncie o crédito de todas tuas boas ações por aqueles que não fizeram nada! Depois venha e me siga. E sua recompensa é estar comigo! Ser meu amigo, caminhar comigo…

Quando o rapaz ouviu isso, foi embora triste, pois tinha feito muita coisa “pro Reino” e era muito rico de boas ações.

Esse é o Evangelho puro, simples, e “sem graça” que ninguém quer.

Com amor, Tihh Gonçalves ©

* Paráfrase minha sobre Mateus 19:20–22.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.