Os 3 sentidos da Máscara do Dinheiro

Oi Amigo(a),

Mahatma Gandhi comentou em algum momento que a ação expressa as prioridades, T. Harv Eker, do Best-Seller O Segredo da Mente Milionária apresentou o conceito de que Pensamentos conduzem a sentimentos. Sentimentos conduzem a ações. Ações conduzem a resultados. Então, que pensamentos você tem sobre dinheiro? O que você sente sobre o dinheiro? Para o que você prioriza o seu dinheiro? Você tem objetivos sobre o seu dinheiro?

Percebam, o dinheiro tem diversos significados, damos a ele diversos sentidos, mas entendo que existem três que norteiam como o usamos: Ele representa a materialização de coisas que sentimos, ele representa a prioridade que damos ao que fazemos e ele significa o tempo que trabalhamos para tê-lo. Esses três sentidos precisam ficar claros para nós, só assim, deixamos de seguir numa manada de pessoas que não pensam sobre ele e acabam por não chegar em seus objetivos (se os tem). Só assim alcançamos a verdadeira liberdade.


OS 3 SENTIDOS DO DINHEIRO

Dinheiro = Características pessoais

Muitas vezes o dinheiro representa a sua identidade. Existem pessoas super inseguras, que criam mecanismos para se manterem bem na sociedade, elas podem ser poupadoras excedentes, elas podem criar reservas desnecessárias e excedentes para se manterem seguras, neste caso, deixam de usufruir de alguns prazeres, pois elas tem mais medo de algo ruim do que coragem para algo bom. Outras pessoas, são mais gastadoras, seja porque possuem uma identidade que necessita de uma imagem idealizada por ela ou outra pessoa, ou porque colocaram na sua cabeça que ela não pode ter dinheiro porque ser rico é para ambiciosos ou pessoas más, então ela gasta todo o dinheiro que tem para não multiplicá-lo e ser vista como algo ruim.

O que gostaria que pensassem aqui é o quanto o dinheiro é apenas um meio, ele não representa a identidade de alguém e nem deveria. Ele deveria ser visto como parte do caminho para chegar a algo que de fato se quer.

Dinheiro = Prioridade
Deixe-me contar uma história sobre como priorizar coisas que não necessariamente estão relacionadas com o que de fato importa: Vamos supor que você coma em restaurantes japoneses aproximadamente uma vez por semana. O custo de um restaurante japonês na cidade onde eu vivo fica em torno de 50 reais. Esse valor, no período de um ano, gira em torno R$ 2.600,00. Bastante dinheiro né? E imagine se esse mesmo dinheiro pudesse financiar o seu principal hobby, no meu caso, seria surfar. Com ele, eu poderia ir 23 vezes a praia mais próxima da cidade onde eu vivo, ou seja, praticamente uma semana sim, outra não, eu iria a praia para fazer uma das coisas que eu mais gosto.

Pense! Quando utilizamos o dinheiro para uma compra, estamos alocando recursos para ela em detrimento a fazer qualquer outra coisa com estes mesmos recursos. O uso do dinheiro indica prioridade, indica que você está dando mais importância, ao menos naquele momento, para onde o está direcionando.

Dinheiro = Tempo
No artigo da Máscara das Coisas, trouxe a reflexão do ex-presidente Mujica sobre a relação como investimos tempo para ter dinheiro, onde tudo que consumimos é pago com o nosso tempo de vida. Então, onde você está gastando a sua vida? É com o que de fato importa?

Quanto tempo você quer trabalhar por dia? Em que trabalho você quer estar? Você quer ter uma cobertura de 1 milhão de reais? Um carro esportivo? Entenda que você precisa trabalhar para isso, que terá que abdicar muitas vezes de algumas coisas como passar mais tempo com os amigos ou com a família para poder chegar no seu objetivo. E não há problema algum nisto, mas você destinará tempo de vida para obter esses bens, ele tem que ser um tempo consciente. Já se seu objetivo é ter uma vida despreocupada e simples, talvez devesse parar de projetar compras que não convirjam com seus objetivos, com o seu estilo de vida, com o quanto você quer trabalhar. Note, isso não significa um voto de pobreza, mas talvez, ao invés de comprar o carro, você possa alugá-lo periodicamente, ao invés de comprar a casa, você pode viver “x” meses nela por aluguel. Você precisa se conscientizar sobre como quer viver.

A reflexão aqui é: tenha consciência sobre no que você gasta o seu dinheiro, pois ele lhe exige trabalho e se você não gosta do seu trabalho ou não quer trabalhar tantas horas, há algo errado nisso tudo. Sempre que faço essa reflexão, lembro da frase do filme o Clube da Luta (baita filme por sinal): “Temos trabalhos que odiamos para comprar coisas de que não precisamos.” Trabalhe em algo que convirja para os seus valores, crenças e objetivos e gaste o seu dinheiro em coisas que convirjam para os seus valores, crenças e objetivos. Equilibre essa equação e o dinheiro será algo positivo na sua vida.

Dado os 3 sentidos acima, o caminho que sugiro é você buscar o caminho que equilibra as suas características pessoais, suas prioridades e o seu tempo. Ao perseguir esse equilibro e alcançá-lo, você estará livre (desmascarado) para atingir todos os resultados que deseja. Seja ter uma mansão e um carro esportivo, seja atingir a independência sendo um minimalista.

Elenque o que lhe importa, anote seu gastos, seja consciente para onde está indo o seu dinheiro, defina para onde você quer que o seu deseja seja destinado, comemore os resultados e não se importe muito quando falhar, o importante é ser consciente e aprender continuamente. Você precisa ser dono da sua vida, ninguém mais quer isso do que você mesmo!

Espero ter ajudado e caso tenham gostado do texto, podem baixar um e-book gratuito onde escrevo sobre temas relacionados a este: www.tirandoamascara.com.br

Ou seguir minha página no facebook: https://www.facebook.com/tndamascara/

Ou seguir meu perfil no instagram: https://www.instagram.com/tirando_amascara/

E se não me seguir, de qualquer forma, já estou muito grato só em poder passar um pouco sobre as coisas que aprendo e compartilhar com você que chegou até aqui. Obrigado!