A inclusão da terceira idade na era digital

Olá leitores, essa semana optamos por aprofundar mais sobre o que foi falado em nossa primeira publicação, trazendo de forma mais ampla e abrangente tudo que iremos discutir durante as semanas que virão, para que depois possamos passar a discutir sobre temas mais específicos como o marketing digital voltado para a terceira idade, as mídias e redes sociais, e como esse público está se tornando o novo alvo da tecnologia.

(Fonte: http://compauta.com.br/)

Como sabemos, a expectativa de vida tem aumentado bastante nos últimos tempos, e segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) em 2030 a maioria da população brasileira terá entre 45 a 49 anos. Esse crescimento também é observado na população mundial, e esse é o principal motivo de grandes empresas tecnológicas do mundo inteiro estarem voltando seus olhares para o público idoso. Um bom exemplo disso é a Microsoft, que desde 2008 trabalha em projetos de usabilidade e aplicativos com foco nessa parte da população, já com o pensamento de que esse mercado pode se tornar bastante lucrativo.

Com a terceira idade atraindo cada vez mais a atenção dessas empresas, cria-se a necessidade de priorizar o desenvolvimento de modelos de capacitação em tecnologia digital voltada para esse grupo, assim ampliando o acesso destas pessoas a esses recursos, promovendo desta forma a inclusão digital das mesmas, a fim de facilitar a relação e comunicação do público idoso com as novas tecnologias, através de modelos desenvolvidos propriamente para respeitar as limitações desta idade.

Os benefícios trazidos por essa inclusão digital são notáveis. Uma pessoa com acesso ao universo digital tem condições de adquirir novas práticas ligadas à busca e a construção do conhecimento, além de expandir as formas de comunicação com pessoas do mundo inteiro, assim amenizando sintomas de depressão que é comum vermos na velhice. O uso do computador além de aumentar a saúde mental dos idosos é um aliado no combate a demências como o Mal de Alzheimer em homens mais velhos, segundo um estudo realizado em 2012 e publicado pela PLOS ONE (Revista cientifica online).

No momento em que os idosos passam a ter acesso aos meios digitais, começam a perceber que as tecnologias não são tão complicadas como pensavam e que podem aprender a utiliza-las, sentindo-se assim mais ativos, participativos, independentes e mais inclusos na era digital.

Caíque Araújo / Marcelo Siqueira