ATO 2º “OUTRAS MENTIRAS MAIS…”

continuação do ATO 1 “TEM CURA”

“Do rio que tudo arrasta se diz que é violento, mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem” Bertold Brecht

Além do já explicitado no chamado ATO 1º “CURA DO AUTISMO” me chama a atenção o comportamento do vereador citado que não foi a primeira vez que usou de procedimento relativo com a falta da verdade ou da mentira enquanto agente político.

Confirmo que tal assertiva tem fundamento e justificativa clara e tornada pública quando foram reveladas as falas dos presentes no período pré-eleitoral, em Itapira, em 2016.

Naquele evento secreto uma gravação das falas veio a público e apresentada na Câmara Municipal onde foi registrada a sua própria declaração, em áudio, em faltar com a verdade, isto é optando por mentir para os eleitores.

Então nota-se que o vereador Pastor Esequiel Pereira dos Santos permeia a área da distorção da realidade ou de afirmações indevidas tal como aquela que está registrada na ‘gravação sigilosa’, antes das últimas eleições na qual a ‘fala’ do citado vereador declara explicita e claramente que tinha que MENTIR para a população quanto ao quadro geral ou estado geral da administração de Jacob.

Em relação a tal gravação, objeto de exposição na Câmara Municipal e nas redes sociais, o vereador Pastor Esequiel parece que não tomou nenhuma medida para vir a público no sentido de negar o exercício da ‘MENTIRA’ como procedimento válido nas eleições para conquistar votos.

Exercitar a mentira enquanto vereador não é caso de processo por falta de decoro parlamentar? O vereador e também os demais componentes tem que se manifestar diante desta realidade absurda.

É natural que os campos são diferentes, mas a tipologia das falas são as mesmas: na naquela reunião de Itapira a fala foi sustentada pela MENTIRA e agora neste caso o conteúdo é FALSO; lembrando que os sinônimos de uma afirmação falsa estão relacionados com: falsidade, fraude, embuste, embustice, impostura, farsa, trapaça, lorota, balela, entre outros adjetivos.

Ainda em tempo cabe também cabe provocar outro esclarecimento, pois quando da argumentação o vereador Ezequiel sobre os eu projeto de lei ele citou o projeto “CADÊ VOCÊ”, sem ser muito claro e objetivo, ‘dando a entender’ que iria comentar em detalhes em outra oportunidade, mas permitindo o entendimento que o citado projeto estava estritamente vinculado ao Autismo, O QUE NÃO É VERDADE.

Então para os devidos esclarecimentos é só visitar o site http://cadevoce.org.br/projeto/, onde poderá confirmar que:

“Cadê Você? é um projeto que localiza e identifica pessoas com deficiência, residentes nas comunidades mais carentes do Município de São Paulo, avalia suas condições de vida, situação sócio-econômica, recursos de acessibilidade e cria uma rede de proteção levando informações sobre os principais serviços existentes nas áreas: saúde, trabalho, acessibilidade, educação e direito.”

Vale destacar que o projeto “Cadê Você?” foi idealizado por Mara Gabrilli, fundadora do Instituto Mara Gabrilli que na condição de publicitária e psicóloga, após sofrer acidente de carro que a deixou tetraplégica decidiu criar a ONG.

Pela visita que feita ao site e na leitura de algumas de suas publicações do “Cadê Você” concluo que quem deveria já estar fazendo algo neste sentido, com este perfil e com a máxima divulgação, nos mais diversos canais de comunicação, deveria ser a Secretaria de Saúde, com a implantação de uma programação e planejamento junto á área da Saúde Mental e contando com a natural ação das ACS e até podendo estabelecer parceria-convite com instituições como o Tiro de Guerra, a Associação Guarda Mirim (sendo treinados como agentes multiplicadores da sensibilização para a inclusão), Secretaria Municipal de Educação, Lions Club, Rotary Club, Associação Amigos do Autista, Conselhos Municipais, Associação Empresarial, entre outros órgãos.

Mas diante de tantas mazelas e críticas que ocupam espaços nas redes sociais, nos jornais, nas rádios é natural que alguém possa agora estar concluindo por generalizações típicas como: ‘falar é fácil’! Também concordo!

Então indo além das palavras me ocorre com certa ironia em questionar:

“Cadê você, Secretaria Municipal de Saúde?”.

Ou será que teremos que fundar mais uma ONG para cuidar justamente destes objetivos da Saúde Mental, de extrema necessidade para as pessoas com necessidades especiais?

Ou vamos aguardar o vereador ‘trazer’ o projeto “Cadê Você?” aqui para a nossa cidade, mesmo não tendo a mínima clareza e coerência em sua exposição verbal sobre tal intenção.

E não me dando por satisfeito e muito menos acomodado, já que revelou interesse quando da citação do projeto “Cadê Você?”; seguindo esta mesma linha de racionalidade questiono o vereador Pastor Esequiel Pereira dos Santos , pois já que demonstra em suas falas, ter muita preocupação com crianças, que venha a público responder também outras indagações a seguir.

Sendo o citado vereador um membro evangélico, certamente deve ter conhecimento das ações e funcionamento da Associação AMAR, no Jardim Europa, em Amparo-SP, que teve seu encerramento quanto ao atendimento em torno de 20 a 25 crianças carentes e em situação de risco psico-social.

Para as devidas informações, declaro que durante parte do ano passado me dediquei como PSICÓLOGO VOLUNTÁRIO naquela entidade, sendo que no final do ano fui ‘avisado’, de forma inesperada de que ‘amanhã é o último dia’. E as crianças atendidas passaram a ficar sem o rotineiro atendimento que envolvia refeições, atividades lúdicas, jogos, vivências comportamentais entre outras atividades.

Agora me cabe perguntar ao vereador:

“Por que não se ocupou e não se preocupou com as ações produtivas das necessidades da AMAR, a ponto de evitar o fechamento da entidade naquele bairro, que parece ter ocorrido por falta de verba?”

Vale lembrar que a Associação AMAR era ou é ainda (?) mantida com certa vinculação com a Igreja Assembléia de Deus que creio ser a mesma do Pastor Ezequiel. Ou isto não é verdade?

“Em tempo, por que simplesmente uma entidade, encerra suas atividades sem que nenhum representante do Executivo ou do Legislativo tomasse a frente para sanar as dificuldades financeiras, que foram as causas apontadas informalmente alguns funcionários?”

“Por que falar em ‘trazer um projeto’ de fora como o “Cadê Você?”, sendo que se faz ‘vistas grossas’ quanto ao fechamento de um projeto que poderia ser desenvolvido com muito mais alcance, mas encerraram as portas para as crianças?”

Embora seja o item menos importante nesta história em relação á minha dedicação como PSICÓLOGO VOLUNTÁRIO não foi dado um mínimo de valor, atenção e nem mesmo um voto de gratidão quanto á dedicação voluntária exercitada. A indignação é completa em meu nome e principalmente em nome das crianças outrora atendidas.

Por exemplo, me ocorre que diante da crise da Associação AMAR o vereador sendo tão preocupado com as crianças e também sendo evangélico, poderia ter sensibilizado seus pares e todos poderiam contribuiriam com seus proventos, tornando-se como por exemplo ‘PADRINHOS’ benfeitores das crianças, para não haver o encerramento do atendimento da Associação AMAR.

Mas entendo tal omissão, pois o vereador estava total e profundamente envolvido com a campanha eleitoral e estratégias para faturar votos para si e seu candidato a prefeito, a ponto de ter denunciado declaradamente fazer o uso da MENTIRA para angariar votos, conforme citado anteriormente.

E nesta mesma linha de entendimento gostaria da parte deste vereador de ter uma informação objetiva e pontual quanto as questões que se seguem:

“As crianças da Associação AMAR, por acaso, foram objetos das fotos para a campanha do Prefeito Jacob (que é de seu partido), conforme parte da denúncia feita em matéria, de minha autoria, publicada no Jornal A Tribuna?”

“O vereador tomou conhecimento da matéria e da denúncia QUANTO AO USO DE FOTOS DE CRIANÇAS NA CAMPANHA ELEITORAL?”

“O que fez para esclarecer ou que providências o vereador Pastor Esequiel Pereira dos Santos tomou quanto ao conteúdo da mesma?”

“O do vereador Pastor Esequiel Pereira dos Santos poderia investigar, verificar e levantar e trazer a público: em quais locais as crianças foram fotografadas junto com o Jacob, mediante a autorização de quem e quem são as crianças? Os pais autorizaram expressamente tal fato?”

“O local das fotos do candidato e prefeito Jacob com as crianças foi o salão da Associação AMAR? Se isto for verdadeiro quem autorizou tal iniciativa? Se não, então onde foram ‘tiradas’ as fotos?”

E então vereador do vereador Pastor Esequiel?

Registro que quando da publicação da citada denúncia ninguém veio a público negá-la, retrucá-la ou mesmo nem eu fui solicitado ou mesmo submetido a qualquer processo jurídico para que outra suposta verdade fosse esclarecida.

Mesmo instituições como a Câmara Municipal, integrantes da OAB-Amparo e os candidatos aos cargos eletivos, todos foram explicitamente convidados a se posicionarem; mas não chegou formalmente ao meu conhecimento alguma tomada de providência oficial ou resposta ou manifestação de contestação de nenhuma origem ou forma.

O silêncio de todos ou a nefasta conivência de alguns foi a única resposta até o momento diante da expressa acusação de uso de fotos de crianças em plena campanha eleitoral por iniciativa do prefeito Jacob.

Diante de tudo que foi explicitado nos:

ATO 1º “A CURA DO AUTISMO” e no ATO 2º “OUTRAS MENTIRAS MAIS…” cabe agora ao vereador Pastor Esequiel Pereira dos Santos optar em se calar para que tais colocações ‘caia no esquecimento’, ou se achar por bem levar ao conhecimento do Ministério Público que lhe é um direito inalienável ou ainda responder ao público, pois a mim, particularmente, não irá satisfazer toda e qualquer manifestação.

Assim como resumo creio que estamos diante de três alternativas:

1. retratação imediata do vereador Pastor Esequiel Pereira dos Santos, trazendo ao conhecimento público a negação de uma FALÁCIA declarada sobre a CURA DO AUTISMO, ou

2. se o contrário disto, que então revele a comprovação científica da CURA DO AUTISMO, com nome dos cientistas e profissionais responsáveis pela nobre descoberta e fontes de contatos; sendo que ainda lhe cabe;

3. e cabendo-lhe ainda responder com a verdade, objetivamente, sem ‘meias palavras’, a todos questionamentos, que aqui foram tratados de forma pontual e com objetividade, sobre os fatos relativos ás crianças e a Associação AMAR.

Creio ser desnecessário considerar que como vereador, o mesmo tem que revelar posturas coerentes, com ética, sem mentiras ou demagogia; e no caso de afirmações que não condizem com a verdade incorre-se na falta de respeito para com o Decoro Parlamentar, pois é mentir ou fazer afirmações falsas é crime!

Em tempo Informo que estarei publicando estes dois arquivos, ATO 1º e ATO 2º nas redes sociais da internet, em fóruns de discussão que participo e em minha página pessoal do Facebook.

Para reflexão de todos fica uma mensagem de Marilena Chaui, in “Convite á Filosofia,, 1995

“…para compreender o sentido da verdade. Salienta o significado grego (aletheia) como sendo o não oculto, considerando verdadeiro tudo o que se apresenta como evidente para a razão.
Já em latim, verdade se diz veritas, aludindo à exatidão, à rigidez de um relato, no qual se diz com detalhes, pormenores e fidelidade o que aconteceu.”

Revisado em Amparo, 19/03/2017

Att.

Tito, psicólogo CRP 06–1631–3 email fhoo@uol.com.br