Cirque du Soleil & o Boi Garantido

Eis uma cena real e dramática!

Um grande contingente de pessoas submetidas aos encantamentos do consumismo, do imediatismo, presas inconscientes do individualismo e massa de manobra de uma pulverização de informações com pouca utilidade prática para a plena satisfação e desenvolvimento existencial.

Neste caos psicossocial que atinge a todos, com maior ou menor intensidade, um raro momento e um indivíduo parecem estar fora da linha desta suposta normalidade, ao optar por reassistir o espetáculo do Cirque du Soleil: “A Jornada do Homem”.

Sim! Este ser é um simplesmente caipira que resolve dar um tratamento à sua ociosidade transformando-a em ‘ocioproatividade’.

Claro que tal expressão ‘ocioproatividade’, nos leva de imediato á lembrança do sociólogo italiano Domenico De Masi com a definição do ‘ócio criativo’.

Mas em nosso palco a ênfase é sim pela transformação proativa, sem menosprezar a criatividade que é inerente aos processos mentais.

Mas então lá estava eu diante do espetáculo do Cirque du Soleil, revendo-o com uma clara e pontual intenção: destacar alguns paradigmas que pudessem servir de reflexão e aplicação em um projeto vinculado ao INSTRAN (ONG em Campinas,SP) que tem como foco ações na prevenção de acidentes no trânsito.

Embora já tivesse assistido mais de uma dezena de vezes o show “Jornada do Homem”, por diversos momentos perdi o foco que era a minha intenção inicial, pois ‘caí nas malhas’ do encantamento dos atores circenses ao tratar conceitos e preceitos sobre a evolução humana e a sua existência.

Mas creio que consegui atingir minhas metas, mesmo sob o impacto profundo das imagens, cenas, falas, enredo e tudo mais que a produção do Cirque du Soleil registra como altíssimo padrão de reconhecimento internacional.

Assim fui saindo do Circo e entrando em Parintins na Amazônia.

Vejam porque.

Durante a projeção do show “Jornada do Homem” fiz minhas anotações para futura exposição dos argumentos de um projeto e enquanto pensava em tirar a mídia do aparelho de DVD, deixei-a seguir mais a frente e me deparo com outro momento espetacular. Gravado ao vivo outro registro de imediato prendeu a minha atenção: o desfile do Boi Garantido em Parintins.

A gravação de anos atrás refere-se ao espetáculo que ocorre todos os anos no “Bumbódromo”, durante o Festival de Parintins, no Amazonas.

Claro que estou me referindo à disputa dos Bois Garantido e Caprichoso, que durante três noites encantam a platéia com temas e alegorias dignas de respeito, valor e reconhecimento que vão além das fronteiras nacionais.

Então vamos rever o cenário no qual estava me envolvi.

Num primeiro momento ‘viajei’ pelas cenas evolutivas propostas pelo Cirque du Soleil e logo a seguir lá adentrava nas toadas do Boi Garantido com todas os seus 51 tons de cores que não devem ser descritas, mas sim vivenciadas.

Tudo por causa de uma outra realidade bem distante: a de uma proposta focada em questões relativas aos índices de acidentes, preocupação dos diretores do INSTRAN, de Campinas, SP.

Ao curtir o Boi Garantido durante uns 40 minutos de gravação fui ficando anestesiado ou contaminado por outras visões que se somavam na busca dos tais paradigmas ou preceitos que deveriam servir de fundamentação para um suposto projeto educativo e sensibilizador sobre cuidar da vida e cuidar do trânsito.

Transitei nas galerias das torcidas de ambos os Bois, o Garantido e também do Caprichoso, como também fui tentando apreender nas entrelinhas significados e posturas que levam á construção de algo esplêndido, encantador, envolvente e vivaz.

Embora a gravação tratasse somente da apresentação do Boi Garantido, entendo que também o Boi Caprichoso é mentor das mesmas qualificações anteriormente explicitadas.

E assim eu já assumia papel como declarada e grata vítima dos 51 tons de criatividade, sensibilidade, excelência, sonoridade, fantasia e encantamento que o Festival de Parintins revela ao mundo todo.

Aqui cabe então um singelo registro quanto á aprendizagem dos tons do Boi Garantido que se misturam com os raios do Cirque du Soleil, tudo isto em minha mente ainda não contaminada plenamente pela rotina da mediocridade.

Cabe sim então um registro de gratidão a ambas instituições: Cirque du Soleil e Festival de Parintins pelos shows que nos transformam em crianças dançantes novamente e ao mesmo tempo nos ensinam lições não pedagogicamente ainda formatadas.

Agradecido! Caros circenses e Caros amazonenses!

Mas as provocações ainda não haviam terminado!

Quando entendia que havia concluído a minha tarefa de explorar os conhecimentos e apreender as lições do Cirque de Soleil e do Boi Garantido, ainda no início da tarde fui pego de surpresa por um e-mail, que declaro sinceramente: não tinha a mínima expectativa de recebê-lo.

Diante deste fato, para muitos ou para uma grande maioria poderá ocorrer a conclusão antecipada com uma expressão similar ao:

- “Ah! Foi só um e-mail como resposta!”

Mas não foi somente um e-mail como resposta a uma mensagem anteriormente enviada.

Foi sim um feedback proativo originário do Cirque du Soleil realçando a importância e o valor que tal instituição demonstra para com seus clientes, fãs, profissionais, familiares, prestadores de serviços e com o planeta como um todo.

Sim! Um simples e-mail agradecendo uma manifestação, isto é um ‘feedback’ pontual, direto, imediato, responsivo e simpático que com poucas palavras veio a somar com os preceitos e conteúdos que já havia anotado anteriormente durante as gravações em DVD.

Em um mundo caótico, cheio de conflitos, saturado de individualismo, diante de tanta falta de comunicação afeto-compreensiva e com um bando de ‘net-dependentes’ eis que um ato simples encanta, fortalece a fidelização e provoca analogias conceituais.

Em um mundo com exemplares de políticos e empresários, todos atores de suspeitos atos corruptos, estes ‘senhores feudais’ merecedores de condenações também especiais não sabem das lições do Boi Garantido e muito menos do Cirque du Soleil.

Em um mundo no qual as pessoas estão cada vez mais dependentes das telas dos celulares e virando medíocres consumidores de informações, eis que um e-mail do Cirque du Soleil revela a excelência no atendimento ao público. Mostra também o cuidado com os contatos (COM + TATO) muito ausente nas relações interpessoais e organizacionais.

Um simples e-mail dos gestores do Cirque du Soleil que trata da excelência com o devido respeito pela palavra “excelência”.

A partir de tais constatações, chego a conclusão que em nosso país a palavra ‘Excelência’ deveria ser proibida para políticos no naipe dos corruptos e de sua ‘chupinzada’ que ocupam espaços públicos, pois são eles os extirpadores de vidas e sonhos.

Tomo como referência quanto a palavra ‘Excelência’, que a partir de hoje somente usarei para quem revele exatamente a ‘excelência’ em seu trabalho, em seu desempenho, nas suas atitudes diante de sua comunidade, ou nas suas posturas e ações ao enfrentar dificuldades.

A partir de hoje quando ouvir alguma autoridade e/ou político tratar o outro de ‘Excelência’, tomarei a liberdade de expressar um riso de ironia e desaprovação, pois tenho plena consciência que tal uso estará somente alimentando a prática da demagogia e da hipocrisia entre tais ‘autoridades’.

“Excelência???”

“Excelência” é compatível com o padrão de desempenho e expressão das produções do “Cirque du Soleil”.

“Excelência” é atributo pertinente aos Bois, o Garantido e o Caprichoso, pois são responsáveis por lições de criatividade, de trabalho em equipe, empenho e produção artístico-cultural que encanta o mundo.

“Excelência” ficou patente e revelada no email circense.

Para finalizar uma lamentável constatação.

Se nosso país fosse presidido nos moldes dos preceitos que são apregoados pelos gestores e atores do Cirque du Soleil certamente não teríamos crianças dependentes de cocaína pelas madrugadas de frio. Nem filas nos hospitais sem medicamentos e com corredores lotados de vítimas das omissões governamentais.

Se nossos estados e municípios fossem administrados nos padrões da excelência artístico-cultural do Boi Garantido de Parintins, certamente não teríamos esta guerra de assassinos nas estradas e avenidas mal planejadas. Nem mesmo os políticos seriam alvos de impropérios e descrenças.

Se empresas e cidades fossem gerenciadas conforme os paradigmas revelados por ambas instituições aqui apontadas, certamente não teríamos omissões, nem uma platéia equidistante dos problemas, ou tantas crises de gerenciamento e a estonteante apatia dos atores humanos diante da realidade vivenciada; seja no trabalho, nas vilas, nas megacidades e também mesmo no desenvolvimento intrapessoal.

Diante de tais constatações ao colocarmos em prática os projetos do INSTRAN, com a ‘cara’ da ousadia de quem sonha acordado com um mundo melhor, a partir de nossas ações, então assim certamente estaremos salvando vidas graças á inspiração daqueles atores mágicos e divinos do Cirque du Soleil e dos Bois Garantido e Caprichoso.

- “ Então com licença, vamos entrar em cena e fazer o espetáculo!”

Merci Cirque Du Soleil!

Agradecido Boi Garantido!

Assim vamos ‘Seguindo em Frente’ INSTRANianos, pois a utopia é uma fantasia que enobrece a quem dela se entorpece.

20 jun 2017

Tito, psicólogo

email fhoo@uol.com.br

Autor do Projeto “UMA MENSAGEM PRA VOCÊ”,com mais de 2 milhões e 400 mil mensagens já distribuídas numa calçada de Amparo-SP. Registro de Direitos Autorais Ministério da Cultura-2013

Diretor-voluntário do INSTRAN-Campinas,SP