Oceano

Interessante pensar que o nome do nosso planeta é Terra, quando em torno de 70% dele é composto por água.

Aprendi algo que me fez repensar tudo o que sei sobre mudanças climáticas. Não que eu saiba muita coisa. Aliás, muitas das minhas verdades, certezas e crenças estão sendo desconstruídas por aqui.

O oceano representa metade da biomassa no planeta. E conheci uma bactéria, que vou apresentar para vocês:

Prochlorococcus cyanobacteria
50% de todo o O2 é gerado por esses microorganismos no oceano

Prochlorococcus cyanobacteria é uma cianobactéria que é a menor célula fotossintetizadora e abundante no oceano — responsável por 5% da fotosíntese global, por algumas estimativas. Suas muitas versões diferentes, ou ecotipos, crescem a partir da superfície do sol iluminada a uma profundidade de 200 metros (!!!), onde a luz é mínima. Coletivamente, as “espécies” possuem cerca de 80 mil genes — quatro vezes o que os seres humanos têm. 50% de todo o O2 é gerado por esses microorganismos no oceano. Não sabíamos que eles existiam até 1986.

IMAGE: MIT DARWIN PROJECT, ECCO2, MITGCM/OLIVER JAHN (MIT), CHRIS HILL (MIT), MICK FOLLOWS (MIT), STEPHANIE DUTKIEWICZ (MIT), DIMITRIS MENEMENLIS (JPL)

Essas águas contêm cerca de 3 bilhões de bilhões de bilhões (é esse o número e eu não faço a menor ideia de como representar esse número) de Prochlorococcus. Essa quantidade faz com que o micróbio seja um peso pesado nas redes alimentares oceânicas e no clima. É uma fonte chave de alimentos nas regiões pobres em nutrientes do oceano. O Prochlorococcus produz matéria orgânica que outros microrganismos comem. E, devido ao seu papel no ciclo do carbono, o micróbio rege significativamente os níveis de dióxido de carbono (CO2) que causa aquecimento climático.

E daí? E daí que eu achei que as florestas fossem a questão mais relevante para a questão de mudanças climáticas. E descobri que, na verdade, são os oceanos. Se não corrigimos o oceano, nada importará. O oceano é o foco principal e muito relevante.


Conheci uma empresa muito interessante, que vende drones subaquáticos, chamada OpenROV, usado para mapear o fundo do mar. Olhe aqui esse vídeo para ver como funciona. É tão rápido quanto a velocidade que o Phelps nadou nas Olimpíadas (irrelevante, mas interessante!).