Felipe Fiori

Vendedor ou empreendedor?

O bonitinho da turma

Mais que especial, hoje, o Estórias S/A traz um pouquinho do nosso bonitinho, Felipe Fiori. O melhor vendedor da região tem um coração enorme e é um dos responsáveis pelo ambiente positivo do nosso espaço. Sempre muito extrovertido e alegre, sem o Felipe por aqui a casa fica bastante silenciosa (rs). Com seu jeito brincalhão e descontraído, o atual consultor sênior da TIM é um dos nossos associados mais dedicado e presente no nosso dia-a-dia.

Felipe é um cara com espírito de criança, mas na hora dos negócios convence até mesmo um esquimó a comprar geladeira. Além da sua persuasão nata, a experiência de anos trabalhando com venda de telefonia móvel, tornaram-o em um vendedor brilhante. Entretanto, quando começou a pensar em sua carreira, o setor de vendas estava longe de ser considerado uma opção.

Quando terminou o colégio, fortemente estimulado pelo modelo de ensino da instituição, o Felipe queria mesmo é trabalhar com desenvolvimento de comunidades carentes. Seguindo esse objetivo, ele se graduou em Letras pela UFSCar. Devido ao desalinhamento entre retorno financeiro e propósito profissional, teve que buscar outras alternativas para o sustento de cada dia.

Nessa primeira oportunidade, ou desvio de caminho, entrou para a área de vendas da Embratel. Começou como vendedor de porta a porta, oferecendo o plano Livre de telefonia fixa da empresa. Dentro da Embratel, construiu carreira e empenhou-se para subir de cargos até chegar a liderança de equipes. “Eu gostava muito de fazer essa parte. Gerir uma equipe, coordenar, treinar, acompanhar…”. E aos poucos o menino foi ganhando experiência e descobrindo seu grande potencial de negociação.

Negociando areia com caiçara

Animado com a nova habilidade, decidiu aprofundar seus conhecimentos e iniciou a faculdade de Propaganda e Marketing na Unicep. O curso lhe daria mais embasamento teórico para a prática das vendas. Apesar da evolução visível, em um corte de gastos da empresa, acabou sendo demitido da Embratel. E nesse curto período desempregado, o empreendedorismo deu o primeiro sinal na vida do vendedor.

Explorando uma de suas paixões, abriu uma lanchonete caseira na casa de sua ex sogra. A ideia era produzir lanches artesanais e fazer entregas a domicílio. Mas o clima aconchegante da garagem da casa, atraíam os clientes para consumirem na própria “lanchonete”. “Tudo era produzido artesanalmente. Temperado, produzido, amassado, feito…” e o negócio despretencioso teve seu sucesso momentâneo.

As empresas de telefonia não tinham esquecido do ótimo vendedor “formado” na Embratel. Na época, uma nova empresa de telefonia móvel surgia no panorama nacional, a Oi. Com a ótima reputação consolidada na empresa anterior, o convite da nova empresa brasileira foi bastante atraente: inciar a operação em uma das primeiras lojas de rua da marca. Entre um negócio instável e um trabalho seguro, o pseudocozinheiro retornou ao mercado de telefonia.

Novamente, obteve resultados expressivos, destacando a loja sob sua direção como uma das principais franquias do estado de São Paulo. “Formei diversos profissionais que ainda atuam na área como gestores”, me conta Felipe com orgulho. E o seu currículo ia nutrindo-se, tornado-se foco das principais empresas de telefonia do Brasil.

Fala muito!

Passou da Oi para a parte de atendimento empresarial na Nextel, e depois foi convidado pela TIM para ser gerente de uma loja na cidade de Piracicaba. “Aumentamos significativamente os planos e o faturamento da loja”, diz o Felipe (prezando pela humildade). Desejando retornar à São Carlos, pensou em abrir uma loja da TIM na cidade, mas foi contraproposto com um ótimo cargo como consultor no canal sênior account da empresa, com possibilidade de homeoffice.

Em um novo cargo e no conforto do interior, o vendedor nômade ainda não estava satisfeito. “Quando o homeoffice é um diferencial, ele é bem interessante, mas quando ele é um local fixo, a TV fica mais interessante”. O trabalho em casa não estava rendendo o quanto devia. O homeoffice deveria ser mais produtivo.

Então, como conciliar um trabalho no homeoffice, para que seja mais produtivo, em um ambiente que permita um trabalho tanto na rua quanto no escritório?

Isso mesmo, TRAMPO S/A Espaço Coletivo! “As estações de trabalho daqui são muito parecidas com as oferecidas pela TIM em Ribeirão Preto”. Era o nosso espaço atendendo as necessidades do Felipão. “Eu consigo estar aqui, com um custo muito parecido com estar em casa, mas com uma internet muito melhor”.

Mozão trabalhando aqui na TRAMPO S/A

E essa vinda para nosso espaço, trazia de novo o empreendedorismo para a vida do vendedor. Essa pulga atrás da orelha, beliscou o Felipe logo que ele conheceu a RANGO S/A. A RANGO S/A é uma lanchonete e cafeteria on demand que serve nossos associados dentro do nosso espaço. Quando o Felipe ganhou mais intimidade com o Fábio, dono da TRAMPO S/A, já propôs a adição de novos pratos ao cardápio e até mesmo criaram alguns eventos gastronômicos, como a Sexta é Massa! (dia de massa no almoço).

E as ideias de negócios não pararam por ai. Em contato com outro projeto da TRAMPO S/A, a SÁBADO S/A, o Felipe teve outro insight sensacional. A SÁBADO S/A é um dia de exposição de marcas de microempreendedores da região, com intervenções culturais e ambiente familiar. E por que não ter uma boa refeição para apreciar mais ainda o evento?

Essa foi a ideia do Fiori: venda de espetinhos gourmet em pão artesanal e com opções de molhos diferenciados, além de sucos para refrescar. “A gente aproveitou um evento que já acontecia aqui e percebeu que existia demanda por comida feita na hora”. O sucesso foi enorme no primeiro evento em que os espetinhos estiveram presentes. A RANGO S/A até foi convidada para realizar aniversários e outros eventos externos.

Espetinhos gourmetizados da RANGO S/A

Depois dessas ótimas experiências com o empreendedorismo gastronômico, o vendedor não para de ter novas ideias de projetos. Mas pelo contato com os outros empresários que temos aqui no espaço, já percebeu que o caminho não é nada fácil. “Muitos acreditam que no mês que vem já ta ganhando dinheiro com o projeto. A partir do contato real com o empreendedorismo, aprendi que é muito mais difícil. Tem que ter vontade e não se sabe o retorno vai vir.”

A forte proximidade com as tendências de mercado traz um enorme diferencial para a visão do novo empreendedor. Além disso, o carisma do Felipe, faz com que ele faça conexões e contatos de maneira muito natural. “Parece que tudo se encaixa aqui dentro… Tem o cara que manja de TI, tem cara que tem ideia, tem amigos, eventos, cara que manja de investimento. Eu comprei a ideia do coworking!”.


Em breve, um novo projeto gastronômico aqui na TRAMPO S/A.


Texto: Enzo Fumagalli, colaborador da TRAMPO S/A

Fotografia: Paloma Cruz

contato: paloumacruz@gmail.com , intagram: @paaacruz