Não reclame! Tente, realize, erre e tente outra vez…

Toda vez que tentamos viabilizar algum evento em nosso coworking, esbarramos em como tornar ele financeiramente viável, pois tudo custa. E custa caro…

Horas trabalhadas, disponibilidade de espaços, alimentos e bebidas, insumos e assim vai. Precificar isso não é uma tarefa tão simples devido a enorme quantidade de varáveis que entram nessa conta, mas depois de quase 3 anos atuando nesse setor de serviços e estruturas, já temos uma boa base para chegar nestes custos. Mas e ai? Qual a proposta de valor do que entregamos que vale fazer alguém gastar seu rico dinheirinho em nossos eventos?

Talvez aí resida a real problemática da coisa: achar o público alvo correto com capital, disponibilidade e interesse em experimentar o que estamos propondo.

Vale um parênteses aqui que sempre tentamos propor soluções para coceiras que nos coçam. Explico: ao invés de buscar todo e qualquer conteúdo que possa surgir, tentamos sempre se colocar no lugar da audiência. Isso seria interessante para a gente? A gente pagaria o valor pelo que está sendo proposto? Se a resposta para as 2 perguntas for “sim”, a gente vai tentar.

E digo tentar mesmo, porque nem sempre dá certo. Mas fazer o que? A vida não é feita só de acertos.

O que incomoda um pouco é, as vezes, a falta de compreensão comparativa que rola sobre o conteúdo. Vamos lá: Quando você vai num bar e tem música ao vivo, você paga o couvert da banda, pois entende que eles precisam ganhar para tocar. A ideia em curso é a mesma, com apenas uma diferença crucial: você não está investindo em entretenimento, mas em conhecimento!

Isso não parece mais interessante, de certa forma? Todo mundo precisa de lazer. Não me leve a mal, mas o investimento em formação e conteúdo também custa e deveria ser considerado com mais frequência.

Quando a gente propõe algo, a gente tenta fazer as contas para tentar chegar em algo viável se comparado a algum item da vida real.

Quando foi a última vez que você bebeu e falou inglês? Ou melhor, qual foi a primeira vez que você bebeu e falou inglês no Brasil? Se você não tem um amigo gringo, acho que a chance de isso ter acontecido é bem pequena.

Mas isso custa? Sim! Como dissemos: tudo custa! Professores capacitados criando dinâmicas para melhorar sua conversação. De novo: faça as contas. Quanto custa a hora de um professor de inglês particular? R$50 por mês não é tanto assim. É apenas uma pizza a menos num final de semana do mês…

Associados da TRAMPO S/A pagam o valor de aluno sob o comando da sensacional Fabi Karioka

Por exemplo, se você precisa de um site para sua empresa ou projeto, não entende nada de programação e buscar as opções de uma plataforma online de criação e edição de site (leia-se WIX), você terá que desembolsar algo como R$15/Mês no plano simples anual, ou seja, algo em torno de R$180, com dificuldade para ranquear seu site no Google, por exemplo.

Daí a gente vem, conversa, senta, analisa, busca as melhores ferramentas do mercado, procura os melhores profissionais disponíveis, corre atrás e chega nisso:

Curso da webvl.com.br, que será realizado pelo Vinícius Lourenço, nosso associado, WordPress Specialist

Agora me fala, 8 horas de curso, você sai com seu SITE PRONTO, com dicas e contato direto do docente. Tira dúvidas, usa o que tem de mais bacana disponível e sai por apenas R$150.

Isso é caro? Jura? Não vou ser corporativista e falar dos meus custos como espaço, mas põe aí na conta: plataforma on line para pagamento em até 4x, hora/trabalhado do docente desenvolvedor (mas considere também o tempo de preparo do curso, ok), material, apostila, coffee break, etc…

QUANTO CUSTA SUA HORA TRABALHADA? VOCÊ ACHA QUE A HORA TRABALHADA DE ALGUÉM QUE ESTÁ LHE ENSINADO ALGO PARA VOCÊ NÃO VALE ISSO?

Se a resposta é “não”, dá aqui um abraço e amizade é a mesma! Mas se você fizer as contas e a resposta for “sim”, parabéns! Invista nessa experiência!

Não gaste seu tempo e sua energia em algo que você não pode mudar. Mude algo que é possível: VOCÊ!

Mas não tem como fazer algo gratuito? Mais acessível? Tem… Vem tomar café com a gente na segunda-feira de manhã. Traga alguma coisa para comer ou beber. É de graça, mas vai custar algo…Não tem jeito.

Pra ver se a semana começa menos ruim…

Bom, nada disso te interessa? Sem problemas! Nosso ponto é: INVISTA EM EXPERIÊNCIAS!

Valorize as iniciativas e se nenhuma inciativa te agradar, crie uma nova. A CURSO S/A pode te ajudar, mas não é o único caminho. Vamos criar novos caminhos. Buscar soluções no que há de novo e se espelhar no passado. Antigamente a gente fazia formatura vendendo rifas!!! Porque não fazer isso hoje? Criar um curso de interesse coletivo e empenhar os interessados em venda de uma cota de convites? Será que funciona? Não sei mas continuamos tentando. E se tiver uma ideia melhor, por favor, a casa é sua…

Tem uma vontade? Uma coceira que te coça? Vai ver isso pode estar incomodando mais gente e podemos tentar resolver e aprender mais sobre juntos.

Só pense que você pode mais, merece mais e deveria ter experiências melhores! Borá tentar fazer algo diferente que agregue? Basta querer…

Texto: Fabio Kontopp