Fomento e valorização da Ciência e Tecnologia

Ah!! A Ciência! Paradoxalmente renegada e indispensável.

Não são poucos os que, por desconhecimento ou ignorância, a rejeitam, tomando-a como antagonista do que é “sobrenatural”, enquanto, do outro lado, há tantos outros fazendo o sobrenatural para estudar, pesquisar e desenvolver, sem apoio, estrutura ou reconhecimento, em função daqueles primeiros.

Por mais que você não tenha a consciência dessa importância, utiliza cada um dos resultados desses esforços, da mais simples a mais complexa de suas interações diárias, da água tratada que bebe a mensagem do Whatsapp que envia.

O Brasil tem melhorado sua posição nos rankings de contribuição científica mundial e Campinas, especificamente, por conta de centros do porte da Unicamp, tem grande participação. A presença de grandes universidades, empresas de base tecnológica e inúmeros talentos na área, o município é um Polo Tecnológico, mas não precisa ser cientista para saber que poderíamos aproveitar muito melhor esse potencial.

O legislativo não dialoga a contento, nem com as instituições de ensino, nem com os estudantes, sejam eles secundaristas ou universitários. Concordo que a prefeitura não tem ingerência sobre instituições estaduais e federais, mas isso não impede um trabalho conjunto.

Dentro dessas necessidades, algumas propostas de abordagem são:

  • O legislativo deve fazer melhor uso de todas as possibilidades tecnológicas para garantir a transparência de seu trabalho e eficiência dos órgãos e serviços públicos.
  • Aproximar empresas e universidades, através do incentivo de convênios, que permitam colocar em prática estudos avançados com potencial ganho para a cidade. Exemplo disso é o combate de epidemias como a dengue.
  • Apoiar a autonomia das instituições de ensino no que diz respeito a formatação de seu plano de ensino, para que o aluno se adapte e se sinta motivado.
  • Entender as reais necessidade da população, pertinentes a escola em tempo integral. Trabalhando para que a tecnologia faça parte das atividades curriculares ou complementares.
  • Incentivar o interesse pela Ciência e a descoberta de novos talentos, desde o ensino fundamental. O contato saudável com a tecnologia desenvolve o raciocínio e aperfeiçoa o pensamento lógico, gerando conhecimento, oportunidade e possibilitando a mobilidade social através de emprego e renda. Por isso é importante que, cada vez mais cedo, nossos alunos tenham contato com esse universo, de modo que possamos descobrir precocemente os talentos que, em algumas situações, talvez nem chegariam ao ensino técnico secundário ou a graduação.
  • Apoiar iniciativas que tenham o objetivo de disseminar e popularizar a Ciência, desmistificando, democratizando e tornando acessível a todos o conhecimento. Em Campinas temos inúmeros casos de encontros, feiras, universidades de portas abertas, encontros informais (como o Pint of Science, por exemplo).
  • Negociar com o executivo e com os empreendedores, incentivos para atrair empresas de base tecnológica para a cidade, gerando emprego e renda.

No próximo post tratarei sobre “Suporte e incentivo à Cultura e Esporte”.

A single golf clap? Or a long standing ovation?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.