Meu sonho sempre foi ser ruiva.

Desde que assisti Titanic e vi a Rose, eu quis ser ruiva. Prometi a mim mesma que quando eu tivesse meu próprio dinheiro eu seria ruiva – já que minha mãe se negou durante toda a minha adolescência a compactuar com essa ideia –. E então, quando eu ganhei meu primeiro salário, na verdade a bolsa da iniciação científica da minha primeira graduação, eu gastei quase tudo indo ao salão e ficando ruiva. Chorei, me emocionei, as pessoas me aplaudiram, sem brincadeira, e eu saí de lá muito feliz, e ruiva. Foi um dos momentos mais gratificantes da minha vida, uma sensação única de identificação, de não mais me perguntar “por que não nasci assim?”, afinal, o poder da coloração permanente era poderosíssimo. Eu era ruiva, não só na cabeça mas em tudo mesmo que te faz pensar em alguém que tem cabelo vermelho. Eu me sentia diferente e o meu jeito de expressar foi, muito provavelmente, com o cabelo. Ainda não tinha feito minhas tatuagens e nem tinha saído da adolescência, eu só tinha dezoito anos afinal.

Agora, aos vinte e três, o desejo de ser ruiva e perpetuar a ruivisse passou completamente. Acho cansativo, exaustivo, extenuante e chato ter que ir ao salão o tempo todo pra manter um cabelo que eu já nem sinto mais que me define, nenhum pouco por sinal. Cansei mesmo. Há pouco mais de um ano resolvi que tentaria voltar à minha cor original, que é um castanho. Tem sido beeem difícil, parece que o ruivo não sai de jeito nenhum.

Comecei aos poucos, fui pra uns tons chocolates que quando desbotam ficam meio ruivos. Depois fui pra uns tons amarronzados, mas que pra minha surpresa de alguma forma eu acabava meio ruiva no final, quando a tinta desbotava um pouco.

Eu sei, e quem mexe com o cabelo em casa ou gosta do assunto sabe, o ruivo é pior que praga mesmo. Gruda feito carrapato.

Outro dia resolvi tacar um castanho escuro e pela primeira vez eu errei a quantidade de tinta e fiquei com uns pedaços manchados, meio ruivos. Não me aguentei, esses últimos dias foram horríveis, fiquei realmente triste, queria me livrar do ruivo. Mas me falaram pra não tingir logo tão cedo, pra esperar, que meu cabelo não suportaria tanta química, mas não aguentei. Fui lá e comprei a tinta novamente e corrigi o estrago. Agora meu cabelo tá tão escuro, que tá quase preto. Senti um alívio tão grande… E acho nem deixei de ser tão ruiva assim.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Trinny Alarcon’s story.