Imaculável

Foto: Lucas Uebel/ Grêmio FBPA

Tu, que nasceu num grito extasiado, cheio de significados ainda não decifrados, que deixa a luz do destino fazer reflexo nos olhos, que cansa e sente a dor no baço: nunca te deixarei desistir.
Teu nascimento foi preenchido por palavras e expectativas que cultivamos ao longo da história, com nossas mãos sujas fazendo novas tintas do suor tão diverso das mãos que seguram esses trapos que te enfeitam, te colorem, te homenageiam. Tua criação foi assistida de perto por divindades geniosas, por isso tu nasceste para abençoar seus filhos com essa voz que ecoa eternamente.
Grêmio, tu só surgiu para ser protagonista dessa história indescritível, inenarrável, fantástica, que foge de qualquer lógica ou razão. Mas tu me obrigas, que dor!, me obrigas a narrar o que não quero contar, me faz escrever a tragédia que teus heróis não podem aceitar. Esse não é teu destino!
Não acredite jamais que eu poderei deixar-te, mesmo que não tenha escrito sobre teus feitos. Tu sabes que és grandioso e que faz realidade os sonhos mais lindos que nunca estive perto de projetar. Assim foi tua vitória de 1x0 lá na Argentina contra o Godoy Cruz. Godoy de um azul que não é azul como nós, não é este azul, este tom, e mesmo se fosse ainda não seria tão azul como o nosso azul. Godoy que tinha mais tecido do que gente dentro da cancha, time da má vontade que berra aos que ainda não sabem “isto é só de quem realmente quer”. Porque quem ainda não sabe disso não sabe das outras tantas coisas que se precisa para ganhar, não sabe nada.
E tu, que sabe tanto? Que aprende junto comigo e me ensina também, tu não sabe que cada jogo desse Brasileirão transformar-se-ia numa final de mundial? Tu não sabe que estávamos um palmo de distância do Corinthians e agora já estamos há uns tantos pontos? 
Não deixe o topo da montanha escapar, não perca de vista o que desejamos tanto alcançar. Estou contigo desde o começo da caminhada e estarei para sempre, aconteça o que acontecer. Se nós soubessemos que nada é possível eu ainda estaria ao teu lado, mas ambos sabemos que tudo neste mundo é possível. Talvez o teu defeito seja ser bom demais.
Não preciso chegar ao fim para confessar: me sinto culpada. Dormi com uma camiseta vermelha esses dias, não fui ao estádio para fazer um trabalho que poderia fazer ou ter feito outra hora, pintei as unhas com um azul que não era exatamente da nossa cor. É, me desculpa. Mas sabe, sentei com o cavalinho pra te assistir, mesmo no computador, e morro de inveja do Leonardo e do Carlinhos que, puta que pariu, viajam pra te ver por tudo que é lugar. Ainda largo tudo, de verdade, só pra te ver.
Embora tu saibas também que é complicado mexer com o divino e que se me dessem a oportunidade de pisar no teu gramado eu NÃO PISARIA, se me dessem a oportunidade de tocar no que é sagrado eu NÃO TOCARIA. Jamais ousaria macular com a gordura fétida e mortal das linhas dos dedos meus a tua existência. tão. pura. É assim que te amo, é pra valer. Não pode perder pro Avaí em casa por 2x0, nem por placar nenhum, mas eu te perdoo… Se tu me perdoar.