Os bobos

Te peço pela última vez
Para que não me olhe apático ou morto
Nem me diga o que carrega contigo
Ou os nomes escritos num papel qualquer
Não me conte uma história velha e grandiosa
A glória do passado
Pois ele jaz morto e enterrado
Com a cor rosada do teu rosto
Hoje só vive o desespero que te deixa ofegante
Que te leva ao chão
Também te peço para que não me olhe vívido
Tu já quase não existe
Não fala mais como uma pessoa
Fala como um bobo
E os bobos eu quero longe de mim