Pacto

Fiz um pacto de sangue com os restos de um estádio. Sobre o concreto ainda pintado de azul dei meu sangue como gesto de fidelidade: aquele seria o meu único amor.
Nessa altura do campeonato não existe time tão bonito ou que jogue tão bem quanto o Grêmio, os dias de realismo acabaram. Já não procuro mais esquema tático nem me preocupo com Ramiro. As expectativas mudaram, as cartas na mesa mudaram. 
Nesta ânsia por algo maior, sem saber o que quero, penso que quero tudo. Quero internacional rebaixado, entrar no g6, ganhar esta copa e o mundo. E talvez ainda não fosse suficiente. A ansiedade e a ambição de quem tem não só sede de vitória e fome de título, mas de quem está desidratada, subnutrida, vivendo o caos.
Os anos passaram e eu não os passei sentada na frente da TV esperando, foi de pé, foi indo ao estádio, foi nesse alento até perder a voz. Não foi até cansar, porque mesmo esgotados continuamos empurrando. Não foi até a esperança acabar, porque mesmo quando tudo se perdeu levantamos e lutamos. Olho para o céu e me pergunto se o que quero é demais, é exagero? E se eu tudo tivesse talvez ainda não me contentasse. O Sol se esconde, as nuvens desaparecem e então só resta essa imensidão de azul. Se não é exagero ter o céu inteiro da minha cor, os nossos sonhos são possíveis. Vamos Grêmio, tu és copeiro.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.