Vôo

Você que mora tão perto e não sei o nome
 Com um fuso horário vários anos atrasado
 Eu te consumo, na minha meia distância
 Te vejo agindo com vontade própria
 Lançando-se para um vôo que anseio em ver
 Mas não sei se permito, não sei se quero
 Porque te faz ficar mais perto
 Tão perto assim eu perco a pose e perco a força
 O meu teatro desmorona, meu circo pega fogo
 Lava a minha cara sem vergonha
 E a cor dos meus olhos sai com água e sabão
 Melhor ficar aí onde você está, onde quase não me vê
 Não é tão cheia de si quanto parece daqui
 Não me diz não
 Onde estão meus medos todos