Os problemas do artigo são:
Emanuel Serpa
31

  1. Ele não nega a existência do racismo, fato (dei a entender isso, um equívoco quando queria apenas ressaltar certos aspectos), mas seu discurso é claramente problemático. Ele adota linguagem muito semelhante aos que efetivamente negam o racismo (e mesmo a homofobia). Ser contra “reparação histórica” é o de menos, eu também discordo desse argumento/tese em grande parte, mas me soa (e pode ser pré-conceito meu) muito estranho quando se reconhece o racismo, mas se nega qualquer tipo de medida visando mitigar/extinguir o problema considerando “coitadismo” medidas para garantir mais direitos para tais minorias. Parece que o discurso reconhece o racismo apenas como uma concessão para, logo depois, negar todas as formas conhecidas de mitigação. É, no mínimo, contraditório.
  2. Eu não acho que ninguém deve subscrever às teses da esquerda, inclusive, como coloquei no texto, cotas não são “tese da esquerda”, mas foram, por exemplo, implantadas pelos Republicanos nos EUA. São teses liberais que ele parece negar apenas por birra com a esquerda. E é fato que ele não apresenta qualquer solução ou forma de combater o racismo (ao menos não que eu tenha visto), preferindo bater na esquerda sobre o tema (E a esquerda tem muito que apanhar sobre o tema, diga-se de passagem).
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.