Liberdade de expressão mesmo para o “inimigo”

Danilo Gentilli é uma figura abjeta.

Dito isso, uma coisa é ele responder pela suposta ridicularização da justiça (ainda que ele tenha ridicularizado uma notificação extrajudicial), mas pelo humor? Aí é absurdo, por mais sem graça que ele seja.Liberdade de expressão também inclui liberdade de ofender – ainda que possamos debater limites.

Uma coisa é ele atacar uma outra figura pública, ainda mais uma figura política, outra é ele atacar uma pessoa desconhecida, sem fama, sem relevância política ou cultural – e como consequência sem condições de se defender – , e acabar a prejudicando (como aconteceu com a mulher que doava leite materno – nesse caso valeria uma condenação).

Curiosamente ele foi condenado a pagar 200 mil reais no caso da doadora de leite (posteriormente reduziram para 80 mil), mas quando se trata de uma política (e de uma suposta ofensa à justiça, seja lá o que for isso).

Mesmo que a justiça queira e vá adiante no caso em que pediram prisão dele, o pedido de prisão é absurdo. Seria também no caso da ridicualização de uma mulher “civil”.

Multa, serviço comunitário ou até doação pra instituições de caridade e retratação/direito de resposta no programa ou no meio usado por ele para “praticar a ofensa” estaria mais do que de bom tamanho.

Prender um comediante por piada ruim não é algo que me parece tolerável. “Ah, mas ele chamou uma deputada de puta”. Deselegante? Sim. Boçal? Sim. Crime? Então vamos meter muita gente na cadeia.

Absolutamente impecável.

E digo mais, o atentado contra o Charlie Hebdo se deu porque os jornalistas e humoristas exerciam sua liberdade de expressão para ridicularizar – culturas, religiões, sensibilidades.

E na época teve gente – conservadora e mesmo de esquerda – que achou pouco. Que não se solidarizou, oras, eles atacavam religiões (o que é intolerável para alguns conservadores) e ridicularizavam muçulmanos (considerados pobres coitados por alguns à esquerda que tem uma visão dicotômica, simplista e infantil do mundo).

Não acho que liberdade é ou deve ser absoluta, no entanto mandar pra cadeia alguém por sua opinião? Só em casos extremos, como na clara incitação levando à violência de fato. Condenar alguém à prisão porque xingou o amiguinho como se estivesse na quarta série é pedir para mais pra frente tomor o lugar do amiguinho – como pode acontecer com Duvivier que, aliás, se solidarizou com o Gentilli porque SABE que ele poderia ser a próxima vítima e talvez até seja.

Escutem os incontáveis humoristas apontando para o perigo de mandar alguém pra cadeia por uma piada ruim ou porque “ofendeu a honra” de outro.

Concordo com o Luís Francisco Carvalho:

“A liberdade de expressão só é perigosa quando descamba para a ameaça ou quando põe em risco vida, integridade física ou patrimônio de alguém. Xingamentos e zombarias fazem parte do jogo, principalmente contra figuras públicas, governantes ou agentes políticos: Maria do Rosário é parlamentar, está no poder (ainda que transitoriamente no campo oposicionista) e é sustentada com recursos pagos pelo contribuinte brasileiro.”

Erika Kokay zombou da história do jesus na goiabeira da Damares, deveria ser processada? Não seria “brincar com um estupro”? Zeca Dirceu foi aplaudidíssimo pela militância petista (e por parte da esquerda) ao chamar Guedes de Tchuchuca, o que algumas feministas viram como ofensa. Deveria ser preso? Oras, lembram que até vaias contra Dilma eram vistas como machismo? Milhões deveriam ser presos?

Se juízes forem atrás de quem chamou Maluf de bandido não sobrará quase ninguém para povoar o Brasil.

É saudável que discutamos limites da liberdade de expressão – racismo e antissemitismo são intoleráveis, por exemplo -, mas não porque queremos limitar a liberdade de expressão do nosso inimigo, mas porque queremos uma sociedade melhor.


Todos que defendem a condenação do Gentilli vão defender esse absurdo aqui também? Sim, é a mesmíssima coisa.

“Num ato em Curitiba que marcou um ano da prisão de Lula, o comediante disse que Moro é um “juizeco”, “um merda”, “fala fino com a milícia e com os Estados Unidos” e que “não merece nem uma pica no cu, [porque] uma pica no cu pode ser bom.”

O Glenn Greenwald já tinha alertado lá em 2017 que o punitivismo excessivo dessa esquerda frágil e incapaz de rir ou mesmo ignorar a ofensa alheia ia se voltar contra ela:

Cerência dita que quem defende prisão pro Gentilli faça o mesmo com o Duvivier, mas a galera disquerda vai defender o Duvivier, dizer que é um absurdo e inventar formas de apontar que os casos não tem qualquer relação. Completando tudo com um #LulaLivre e se brincar soltando um “não confunda a reação do oprimido com a violência do opressor’’.

Esquerda que acha absurdo que “resistir à prisão” seja crime (concordo), mas que acha que ~desrespeitar~ judiciário passando o papel de um processo no saco deveria dar prisão… Ou que xingar político deveria dar prisão, enfim…

PS: Se eu já defendi até o Eduguim, que é uma das figuras mais desprezíveis a habitar esse país (https://t.co/KRs6UWNs3B), porque não defenderia o Gentilli num caso semelhante de liberdade de expressão?

PS2: Toda minha solidariedade ao Duvivier. Xingar políticos não pode ser crime.