Neo-Lombrosianos: Como Justiceiros Sociais prejudicam a esquerda e suas próprias pautas

Notável a carga neo-Lombrosiana de certas ativistas SJW’s (Social Justice Warriors, ou justiceiros sociais) pra quem se você não é da cor/raça “certa” você está errado/a.

Reparo que há um racha no petismo muito forte surgindo (Justiceiros sociais, no Brasil, são invariavelmente petistas), é briga com a Elika (com direito a ameaças e intimidação), com a Cynara (ela contra a Stephanie Absoluta e a Djamila)… O fanatismo identitário tem superado o partidário, difícil saber o que sairá disso. Como já escrevi, há uma ligação carnal entre justiceiro(a)s sociais e petismo, mas podemos estar diante de um momento de inflexão

Saiu artigo recente de uma professora da UFPE na Mídia Ninja que vai pelo mesmo caminho, o homem é machista, o homem de esquerda é machista, o de direita é mais ainda, porque não ser de esquerda já é, em si, ser machista. Não tem como ou pra onde escapar. Ser da cor, do gênero “errado” é suficiente pra ser preconceituoso. E não tem como escapar.

Não se trata aqui de não reconhecer o machismo na sociedade e sim de criticar o que parece ser biologicamente determinado. Construção social é só pras “manas”.

Ao invés de combater esse fanatismo nos calamos, acovardamos ou nos submetemos. Essa semana teve um rolo nos EUA contra uma professor assistente de filosofia que escreveu um texto provocativo sobre transracialismo e foi atacada até pela revista em que ela publicou? Estamos perdendo a batalha até na academia pro fanatismo identitário.

Pra mim o resumo disso tudo está numa das frases mais sublimes da Dilma:

“Não acho que quem ganhar ou quem perder, nem quem ganhar nem perder, vai ganhar ou perder.”

Vai todo mundo perder — e estamos perdendo. Inclusive estamos involuindo pra quinta série:

“Você é feia”.
“Eu tenho contrato com editora”.
“Você é burra”.

E esse comentário do Erick Felinto resume:

“Rafucko elabora uma instalação crítica da exclusão social no Brasil e é acusado de racista. Elika Takimoto, mesmo sendo radicalmente de esquerda, faz um texto, talvez infeliz, mas bem intencionado, e recebe a mesma pecha — inclusive com ameaças físicas. Freixo termina um namoro e é acusado de machista nas redes sociais. Os guardiões supremos da correção e da ética na internet estão conseguindo aquilo que a direita não conseguia: silenciar as vozes liberais e de esquerda. É como escreveu um conhecido: se você apoia uma minoria, sem ser dessa minoria, é porque quer biscoito. Se não apoia é porque reforça as estruturas hierárquicas do poder societário. Em suma, entre se manifestar, arriscando-se à acusação de “roubo de protagonismo” e permanecer calado, parece que hoje a segunda opção é a mais sensata. E assim segue o ativismo de internet, alienando todos aqueles que poderiam contribuir para suas causas e trabalhando por uma sociedade cada vez mais fraturada…”

Admito ter achado engraçado do povo comentando que essa era “The Treta to End All Tretas”, “The mother of all tretas” e tal, é divertido mas… Esconde um problema fundamental que está corroendo a esquerda e dando mais e mais espaço pra direita crescer.

Eu já alertei recentemente que não existe vácuo na política, tirem suas conclusões.

E como concluiu um amigo: “Concluo que a crise no Brasil não é apenas política, social e econômica, é também intelectual.”