Ninguém solta a mão de ninguém

Acho muito escroto fazer pouco caso de uma galera que tá com medo real de se foder porque de fato se fode a vida toda e tá vendo a situação piorar.

Não é só “vai piorar”, já piorou.

Bolsominions assassinaram 2 trans (pra ficar só nesses dois assassinatos), tem bolsominion montando grupo de extermínio de gays (“ah, mas é só besteira online” brother, foda-se você acha que isso não apavora?), enfim, tem razão pra caralho pra minoria tá apavorada numa hora dessas. E eles precisam de apoio, não de chacota. Não de “ain, gente, menos”. Menos porra nenhuma.

E não esquecer que Bolsonaro já deu a deixa de que quer eliminar a esquerda. E não é figurativamente não, é literalmente. Metralhar. Eliminar. “Ah, são só palavras”. Amigo, só as palavras já assustam e de boa, tá rolando mais que isso nas ruas.

“Ah, mas as instituições vão segurar, tão funcionando….”

Elas podem até funcionar, Bolsonaro se utilizará delas anyway. Lei antiterrorismo, intervenção federal, força nacional… Pra fazer merda não precisa de nada além das ferramentas q o PT criou e deu de bandeja pra ele.

Então meu amigo, a esquerda tem tarefas urgentes, uma delas é criar alternativas ao PT e isolar o partido para não causar mais danos à esquerda e a principal é NOS PROTEGER.

Proteger as minorias, proteger gays, lésbicas, trans, negros, mulheres. Nos unir. e construir alternativas que passem LONGE do PT, LONGE do Lula e LONGE dos fanáticos petistas que já estão caçando culpados (todos, menos eles) e chamando de fascistas até quem votou no Haddad, mas se recusa a se submeter ao controle total do partido.

Eu sei que estou longe e que sou branco e hétero, passo despercebido, não sou alvo principal dos Bolsominions e de seu ódio, mas contem com minha ajuda, minha solidariedade e minha luta naquilo que for possível. Ninguém será esquecido, ninguém ficará pra trás.

E da minha parte, jornalismo é o que faço de melhor, denunciando, alertando e buscando mostrar ao mundo os horrores que se aproximam (e os que já estão aqui), como nessa análise pra Al Jazeera sobre o que podemos esperar de um governo Bolsonaro, publicada hoje:


Sim, o excesso de palavrões foi necessário.