Países ricos apostam em violar nossa privacidade

Tradução: Mais vigilantismo.

Não se enganem com propostas que parecem fofas “vamos te proteger dos terroristas”. O objetivo é acabar com a privacidade e abrir brechas. O governo (qualquer um) ter o poder de quebrar criptografia pra “caçar terroristas” significa ter o poder de quebrar criptografia quando quiser, a qualquer momento e por qualquer razão.

Vejam o que faz a NSA, escutam (quase) tudo, vêem (quase) tudo. O que se fala é em tornar esse tipo de vigilância algo corriqueiro a nível mundial e de maneira irrestrita.

A Theresa May, primeira ministra do Reino Unido, é uma das maiores entusiastas desse absurdo, sua desculpa é que é para parar os terroristas, oras, a maior parte deles já estão ou estavam em watchlists, a polícia e o serviço secreto já os conheciam, não era preciso quebrar criptografia de serviços como o Whatsapp pra nada. A desculpa simplesmente não cola. A Rússia é outro país que não simpatiza com criptografia e ameaça proibir o app Telegram, e não estamos falando de uma democracia que respeita os direitos civis.

Uma imensa quantidade de terroristas retorna numa boa da Síria para a Europa e são vigiados ou simplesmente deixados de lado, qual a necessidade de se quebrar criptografia e violar a privacidade de milhões para fazer um trabalho básico de vigilância e, enfim, usar alguma inteligência?

Nossa privacidade é muito cara, muito importante para ser violada com desculpas esfarrapadas de governos que não fazem o seu serviço básico e querem um caminho mais fácil que, de quebra, lhes dá controle total sobre nossas comunicações, nossa privacidade e nossas vidas.

O @wladi, do Partido Pirata comentou, no Twitter:

Né? E olha que eu sou defensor de Estado forte, mas não Estado que queira ler meus mails apenas porque ele quer e pode — mas sem qualquer razão. O péssimo ditado “quem não deve, não teme” não tem lugar aqui, oras, você estaria disposto a colocar câmeras de segurança em todos os cômodos de sua casa e transmitir ao vivo tudo o que você faz na sua intimidade (já não intimidade) para potencialmente qualquer um?

Grosso modo é isso que acontece quando se abre mão da privacidade, do sigilo e da criptografia. Qualquer um pode ter acesso a nossos dados (não apenas governos — como se não fosse suficiente — , já que falhas e backdoors podem ser explorados por qualquer um).