Thales Schmidt
Mar 24, 2016 · 4 min read

O que significa a visita de Obama à Argentina no aniversário do golpe de sua ditadura mais violenta?

Protesto contra a visita de Obama em Buenos Aires. Foto de Pedro Lázaro Fernández.

Há 40 anos os militares argentinos prenderam a presidente Isabel Perón e invadiram as estações de televisão e rádio para dar um recado: “O país está sob o controle operacional do Estado Maior Conjunto das Forças Armadas. Se recomenda a todos os habitantes o estrito respeito às ordens das autoridades militares e policiais”. A madrugada de 24 de março de 1976 durou mais de 7 anos e terminou com milhares de mortos, torturados e desaparecidos pelos militares. Agora, o país relembra o aniversário do golpe com a visita de Barack Obama, presidente dos Estados Unidos e chefe de Estado de um país diretamente envolvido com a derrubada do governo.

A data da visita de Obama a Mauricio Macri foi muito criticada por alguns setores da sociedade argentina. O prêmio Nobel da Paz Adolfo Pérez Esquivel, preso e torturado pelo governo militar, publicou carta pública em que diz que os Estados Unidos “foram cúmplices de golpes de Estado no passado e no presente da região”. Esquivez também afirmou que Obama será bem recebido quando os Estados Unidos “deixarem de ser o único país da América que não ratifica a Convenção Americana de Direitos Humanos”.

Histórias de tortura e desaparecimento forçado de opositores unem diversos países da América Latina, mas na Argentina a violência contou com um episódio a mais: o sequestro de bebês. Presas grávidas eram obrigadas a dar à luz em cativeiro e seus bebês eram doados a militares e civis próximos ao regime. Vários filhos têm como pais os assassinos de seus pais. Esses crimes deram origem às Mães e Avós da Praça de Maio — famosas mundialmente por sua luta em busca da identidade verdadeira dos sequestrados.

Até o momento, 119 filhos de desaparecidos conseguiram recuperar a sua verdadeira identidade por meio de testes de DNA. Victoria Donda descobriu a verdade sobre seus pais, militantes políticos sequestrados pela ditadura, com 26 anos, em 2003. “Não há nenhuma sociedade que possa amadurecer e avançar sem conhecer seu passado. A justiça é um direito básico que temos como seres humanos”, conta a hoje deputada federal pelo partido Libres del Sur. Seus pais biológicos seguem desaparecidos até hoje.

Obama tinha planejado uma visita a Escola de Mecânica da Armada (ESMA) — um simbólico centro de tortura e detenção durante a ditadura e local onde Donda e diversos outros bebês sequestrados nasceram — mas recuou diante da pressão de organismos de direitos humanos. Hoje, o local funciona como um museu sobre o período e foi rebatizado como Espaço para a Memória e Promoção e Defesa dos Direitos Humanos. O presidente dos EUA anunciou que documentos sobre o envolvimento do país na ditadura argentina serão divulgados como forma de “reconstruir a confiança que pode ter sido perdida entre nossos dois países”. A última divulgação de arquivos secretos aconteceu em 2000, no governo do também democrata Bill Clinton.

“A vinda de Obama é muito importante porque as relações entre Estados Unidos e Argentina ficaram estremecidas durante o governo de Néstor e Cristina Kirchner (2003–2015), embora não tenha havido uma ruptura. Agora, com Macri será um governo muito mais próximo de Washington”, avalia Luis Fernando Ayerbe, coordenador do Instituto de Estudos Econômicos e Internacionais da Universidade Estadual Paulista (Unesp).

A participação do Tio Sam

Capa do principal jornal argentino, Clarín, no dia 27 de março de 1976, três dias após o golpe. A chamada na parte inferior diz: Estados Unidos reconheceu a Junta (Militar), crédito do FMI.

Documentos do Departamento de Estado dos EUA revelados anteriormente comprovam a cumplicidade do país com os crimes contra a humanidade cometidos pelos argentinos. “O que não é entendido nos Estados Unidos é que vocês (argentinos) estão em uma guerra civil”, disse Henry Kissinger, então secretário de Estado, em reunião em 1976 com César Guzzetti — ministro de Relações Exteriores do governo militar. “Se vocês puderem terminar antes de o Congresso voltar, melhor”, disse Kissinger, preocupado com a votação de sanções à Argentina no Congresso americano após denúncias de violações de direitos humanos. O mesmo Kissinger teve participação ativa na derrubada do governo chileno de Salvador Allende em 11 de setembro de 1973.

“Os Estados Unidos deram apoio ao golpe e reconhecimento ao governo de (Jorge Rafael) Videla, e foi parceiro dos militares até a Guerra das Malvidas, em 1982. Eles participaram do treinamento de militares argentinos”, diz Ayerbe.

Diversos militares que comandaram a Argentina durante a ditadura, como Videla, Leopoldo Fortunato Galtieri e Emilio Massera estudaram na Escola das Américas, instituição de ensino militar localizada no Panamá e financiada pelos Estados Unidos. O local foi responsável pela formação de outras importantes figuras das ditaduras da época como Manuel Noriega e Hugo Banzer Suárez, responsáveis por crimes contra a humanidade no Panamá e na Bolívia, respectivamente.

Thales Schmidt

Written by

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade