Porque te vejo em Todo Lado?

Novas noites com o velho gosto amargo, pelas lembranças ainda mais amargurado. Dias de sol, dias nublados, talvez pela fumaça dos cigarros, vejo rostos esfumaçados. Estou lá jogado, um rockstar inveterado, anestesiado, queimado em minhas mãos a ponta de um baseado. Naquele terminal, daquele ou do outro lado a que me lembra o passado.

Eu me perguntava calado:
“Porque eu te vejo em todo o lado? ”
Eu via teus traços, fragmentados, inúmeros corpos em translado, mas nenhum era daquela que havia amado. De certo, eu sabia que outro alguém já havia te conquistado. Meu orgulho não me deixaria admitir nem a mim mesmo que estava com o coração quebrado. Mas lembrei como havia te decepcionado, te mal-tratado, o como deixei que aquela velha mistura pudesse ter me dominado. 
Alguém vem lá, reconheço o cabelo ‘castanho avermelhado’, o andar, o olhar.. “Caralho! Acho que definitivamente estou alucinado. ”
Pela vigésima vez me perguntei, agora dizendo bem baixo: Porque te vejo em todo lado?“

Ah, se eu ainda tivesse um coração, poderia ter chorado. Mas não, estava no fundo de um lago, afogado, rendido, cansado de lutar comigo, esgotado.

Eu vi luzes que temiam pelo tempo que não havia respirado, eu estava quase tomado pelos seres das trevas que tanto havia guerreado para que não chegassem perto dos meus amados. 
De certo o amor havia me resgatado, amor que esse alguém me deu, mas eu sinceramente não conseguiria e não consegui ter dado, ao menos não à altura do esperado. 
É, eu também havia me entregado a um novo amor, um ou outro caso, havia tentado seguir o presente rumo ao futuro, deixando aquele passado. E enquanto voltava pra casa atordoado, eu continuei a me perguntar: “Porque te vejo em todo o lado? ”

Suspeito ter descoberto o significado.

Te vejo por todo o lado, porque vejo em cada mulher, as suas qualidades, as quais me fez ter te amado.

E talvez esse seja o castigo do que se rendeu aos pecados: Te ver por todo o lado, mas me mantendo afastado.

Eu sei que todo fim tem um novo começo, mas dessa vez não ao seu lado.

Uma mulher quer segurança, o único presente o qual não pude ter te dado. Sou errante, às vezes gosto de ser errado, incostante, posso estar aqui e logo após, ter te deixado. Então te ofereço algo o qual possa ser eternizado, guarde com você o meu muito obrigado, minhas vibrações de amor desinteressado, digo que aquele quem você amou jamais será enterrado. Porque essa vida é só a letra de um poema que jamais haverá terminado.

Portanto, sem ponto final, me pergunto: “Porque te vejo em todo lado?”

— Bruno Lucusi, 31/07/2016

Like what you read? Give Bruno Lucusi a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.