DICAS: CRIANDO PERSONAGENS

Parte 1

Você tem a ideia perfeita para a sua história, cenários prontos, panos de fundo definidos, toda uma trama montada… Mas aí não tem nem ideia de como construir as personagens? Bem… são várias as dicas de construção de personagens que você vai encontrar por aí, porém eu vou tentar passar algumas que eu utilizo e acredito que funciona em minhas histórias. Então, se quiser aproveitar algumas, pegue um lápis e papel e tome notas do que achar pertinente:

1. Rascunhe a sua realidade

Acredito que personagens marcantes são aquelas inspiradas em pessoas que você conhece bem, admira ou que estão sempre próximas de você. Dizem que um escritor possue antenas especiais capazes de capitarem certas coisas que passam despercebidas a muitos. Penso que uma dessas coisas são traços importantes e ou marcantes da personalidade de alguém, que podem gerar (acredite, podem mesmo) personagens demasiadas profundas e complexas. Passe a observar com atenção as pessoas/ouça conversas aleatórias no ônibus, na rua, no shopping, no cinema, nas filas… / coloque suas antenas especiais para funcionar e sempre, sempre tome nota de tudo.

2. Crie um background sólido

Uma personagem com um passado sólido, carregado de fatos e de memórias, se torna sempre mais “vivo” e “real” aos olhos do leitor. Tente sempre criar um background bastante detalhado paras as suas personagens (talvez até mesmo para as coadjuvantes, dependendo da situação) acrescentando coisas como: gostos e preferências (comida preferida, cor preferida), memórias inesquecíveis, manias, vantagens, desvantagens, traumas… etc. Enfim, procure sempre deixar sua personagem mais próxima de uma pessoa real, mais verossímil.

3. Trabalhe na psique

Busque sempre colocar as memórias e pensamentos das personagens expostas ao leitor. Trabalhe em cenas em que a personagem tem a oportunidade de ficar sozinha consigo mesma: se olhando num espelho, andando pela rua, vendo uma foto, momento antes de dormir… Essas situações podem gerar monólogos interessantes e ou despertar memórias (como sugerido na dica 2), fazendo de sua personagem cada vez mais “humana”.

4. Pense BEM o nome

O nome de suas personagens, principalmente aquelas que você pretende definir como protagonista, deve ser bem pensado (a meu ver) e possuir algum tipo de ligação forte com a história. Eu não sei bem explicar isso, mas vou tentar com um exemplo. Em uma de minhas obras eu escolhi o nome de um protagonista baseado no pano de fundo geral da trama. O livro conta a história de um homem que possui o dom de rebobinar o seu dia voltando no exato momento em que acordou. Eu coloquei o nome dele de Horácio, devido o mesmo ter ligação com horas, e o sobrenome de Pontes, fazendo uma referência metafórica ao fato dele poder voltar no tempo (usando uma “ponte” temporal do qual ele não tem um controle). Seja criativo. Pesquise o significado de seus nomes. Use metáforas… E não apenas dê a sua personagem o nome de João por achar que ela deve se chamar João. Entende?

5. Acrescente… Sempre!

Quando, enfim, achar que está com uma personagem pronta, saiba que sempre pode acrescentar mais e mais. Pense numa fobia relacionada a sua trama, um segredo, um sonho, problemas pessoais que possam fazer com que o leitor se identifique mais ainda (dívidas, solidão, distúrbios, manias, vícios…), pense num estilo de se vestir de sua personagem, num jeito de falar, de agir, de lidar com as pessoas… São todos esses pequenos (e até às vezes irrelevantes) detalhes que irão contribuir para que sua personagem seja mais e mais verossímil.

Agora crie!

@T. A. Batista