Sunburn.

Tua sinceridade me mata. Vem me matando, aos poucos. Como naquela vez que você disse a verdade pra não me machucar, mas machucou. Ou aquela outra que você foi sincero pro meu bem, e me fez tão mal.
É egoísmo meu, eu sei. Eu entendo. E não é como se eu estivesse me esforçando pra entender, só pra te impressionar e parecer compreensiva. Um pouco é. Mas o outro pouco, o resto, é porque eu realmente entendo. Infelizmente. Não é culpa sua também… Não é como se mentir fosse melhor, ou falar pra me agradar fosse me fazer acreditar. Só que dentro de mim, eu peço que um dia essa sinceridade não seja tão negativa. Que ela nunca acabe, mas que só uma vez, só uma, me favoreça.

Eu ainda procuro bons motivos pra acreditar que um dia o estalo vai acontecer e isso tudo foi só um teste, pra me provar, pra te provar que… Só até você entender. Mas se você tivesse que entender, já teria acontecido, não? Você é definitivamente mais inteligente que eu. Se fôssemos racionais assim, nenhum de nós estaria onde está agora. Nem você por ela, nem eu por você e nem outro alguém por mim.
E eu me irrito comigo e com você, por te olhar, por não me olhar, por te querer tão bem e esquecer como eu me quero bem. E eu me irrito tanto por ter demorado dois meses pra me recuperar de outro alguém e ter recaído, caído, te olhando duas vezes.

Eu repito pra mim que quero que você seja feliz, que tomara que ela te faça bem, que um dia ela te corresponda e possa ser quem você quer que ela seja. Eu falo em voz alta, pra fazer mais sentido. Eu quero que você seja feliz. Eu digo e quero dizer, mas por favor, não seja mais feliz que eu.

Mas você foi a distração que eu escolhi ter conscientemente. Isso, o que quer que seja, me impediu de ficar pra baixo com outras coisas que me fazem muito pior. Outras coisas que com ou sem você, eu não consigo superar, nem esquecer. Distraída ou não, elas nunca vão embora.

Você é minha queimadura de sol, que marca, mas depois do verão vai embora. 
As outras coisas são cicatrizes, não tem estação que as apague.

m a i/2 0 1 4

Like what you read? Give júlia duarte a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.