VENCER ou VENCER

Hoje eu vou contar pra vocês um pouco da minha ideia de vida e o que me move sempre pra frente e pra cima, espero que alguns que ainda tenham inseguranças consigam se identificar e assumam os riscos para tentar alcançar o sucesso de alguma maneira, assim como eu venho tentando, mas pra isso vou precisar contar um pouco da minha vida por aqui.

Eu fui nascido e criado numa família pobre (que comia apenas ovo e tinha casa de telhas com apenas um cômodo), meu pai teve uma guinada numa época da vida dele mas depois ficou fudido de novo, em meio a isso eu sempre cresci com uma mentalidade de dominar o mundo, eu queria muitas coisas que eu não chegava nem perto de ter, então por conta disso eu era extremamente louco para trabalhar o quanto antes e poder correr atrás da minha grana.
Eu comecei a trabalhar com 16 anos, numa área que meus pais duvidavam que existia, Web Designer (eles queriam mesmo era que eu fosse funcionário público de alguma maneira). Eu aprendi tudo sozinho, foi irado, mas pra piorar eu comecei a trampar mesmo como Designer Gráfico, sem nem saber mexer no photoshop ou corel draw e mais uma vez eu aprendi tudo sozinho.
Mas meu objetivo nunca foi trabalhar pros outros, eu sempre queria fazer algo por fora, me envolvi em vários projetos, tive vários amigos co criadores e vivia uma vida dupla entre trabalho e freelances, além de estudar, claro.
Reprovei pela primeira vez na minha vida no ensino médio, por conta de faltas e atrasos, nessa altura eu era diretor de criação com 17, 18 anos. Além disso eu precisava conciliar com as festas né queridon, eu saía de quinta a domingo, sem exceção, todos os finais de semana. Eu era ultra popular com os meus amigos, afinal, quantos diretos de criação você vê com 17 anos? Eu tinha grana pra curtir todas as festas.
Lá pros meus 20 anos a minha vida virou, larguei todos os meus trampos e decidi que iria estudar pra conseguir alcançar agências de publicidade maiores, eu precisava de um conhecimento e eu precisava de um network maior, apesar de eu me considerar um prodígio da área e já trabalhar com empresas fodas como por exemplo a samsung como freelancer, eu decidi largar tudo e focar em estudar pra ter algo concreto.
Quando eu parei de trabalhar, meu tempo ocioso era gigante, além disso eu entendi como a vida era tediosa sem grana, por isso voltei a fazer alguns freelas só pra pagar algumas coisas bobas e sair. Arrumei uma namorada rica, ela me bancava e alimentava muito meus sonhos, era nice!
Mas as coisas mudaram mesmo quando eu terminei com ela por conta de vídeo games, talvez vocês saibam mas pra quem não sabe, eu jogava Call of Duty competitivamente, lá em 2010 eu olhei e pensei “acho que essa porra de jogos competitivos tem futuro.”
Foi ai que eu tive um dos dias mais impactantes na minha vida, sem namorada, sem dinheiro, sem emprego, sem meus freelas eu precisava tomar uma decisão. Meus pais me pressionavam bastante pra arrumar um emprego e entrar na faculdade, eu estava entre a cruz e a espada, entrar num emprego qualquer, seguir uma carreira foda-se ou seguir o meu caminho que acredito ser rumo ao sucesso.
De quebra eu também já não queria mais ser designer, eu tenho uma criatividade sensacional, mas eu tinha um volume de trabalho absurdo, felizmente eu tinha uma cartela de clientes insana e eu não confio em outras pessoas para fazer meu trabalho, por conta disso eu nunca deixava um cliente meu na mão de alguém, ou eu dava o job pra pessoa ou eu fazia tudo sozinho, dificilmente eu entrava em co criação visual.
Naquela noite de reflexão eu pensei comigo, vou entrar na faculdade pra agradar meus pais, porém eu apostar toda a minha vida no que eu me sentir bem. Foi ai então que pra mim a vida começou ser sempre VENCER ou VENCER, não tenho mais espaço pra derrota, pouco tenho espaço para falhas.
Conversei com meus pais, eles apoiaram em me dar todo suporte financeiro que eu precisasse pra sobreviver e parar de me perturbar enquanto eu estivesse na faculdade, esse era o tempo que eu tinha pra mudar o jogo da minha vida.

Saindo um pouco da minha vida, agora eu posso explicar pra vocês um pouco mais sobre a filosofia de VENCER ou VENCER:

Naquela noite de reflexão, eu muito sensato que sou medi todas as consequências possíveis de arriscar minha vida e medi também todos os meus sonhos e planos. Independente da carreira ou do meio que eu achasse pra virar a minha vida, minha meta sempre seria ganhar dinheiro, trabalhar em projetos pessoais, alavancar los e fazer de alguma maneira com que eles fossem ultra lucrativos pra eu me tornar um milionário. Além disso eu teria que levar em conta que eu nunca poderia ter medo de perder, jamais.

Como eu cresci com a ideia de ser milionário em mente, eu sempre li muitos livros de empreendedorismo e empresários famosos, eu aprendi que todo milionário de verdade, que construiu sua fortuna não tem medo de ficar pobre, pois ele sabe a formula e o caminho de ficar milionário novamente.

Desde então eu aceitei que eu me doaria insanamente em tudo que eu acreditasse ter futuro pra minha vida e eu sempre botaria todas as minhas fichas, sempre seria vencer ou vencer, mesmo que isso me custasse amigos, amores, família e outros valores que as pessoas pesam. Cheguei até mesmo a refletir sobre chegar nuns 50 anos solteiro ou alcançar o sucesso e não ter mais família, amigos e uma companheira.

Com isso eu aprendi a refletir sobre consequências profundas e eu tenho um plano para todas que você imaginar, a vida é cheia de alternativas, eu não preciso de uma companheira pra ser feliz, eu não preciso casar pra ser feliz, eu posso adotar crianças para serem minha próxima geração e que terão a minha grana como herança, fazer novos amigos ao longo do trajeto ao sucesso.

Claro, o que não dá pra recuperar é a família, pai, mãe e minha irmã estão realmente na minha lista de perdas que não tem solução, porém eu botei isso em cheque também e minha família sempre tem em consciência de que eu aceito qualquer oportunidade mesmo que seja longe deles.

O que você ganha com isso? Com os pontos que eu coloquei acima, parece muito que é VENCER ou VENCER ou perder TUDO.

É exatamente esse o ponto que eu gostaria de chegar, vejo meu pai que teve uma vida baseada no “futuro”, mas ele tem 50 anos e a vida dele é totalmente baseada em família, ele não tem a chance ou a coragem de arriscar algo que possa mudar a vida dele pra sempre para melhor. Minha mãe teve uma doença lá nos 30 e muitos e até hoje com seus 50 anos é debilitada de viver a vida. Então do que adiantou pensar em se aposentar, se quando a aposentadoria chegar sua saúde já não te basta?

Já eu no meu plano posso ter muito mais anos de ter essas oportunidades, na verdade eu tenho mais uns 25 anos de tentativas e oportunidades, além disso tenho certeza que o sucesso é tentativa e erro, puramente estatística, quanto mais você tentar, mais próximo você estará de conseguir. Não quero me aposentar, não tenho medo de virar um idoso sem dinheiro, virar mendigo, pedir ajuda, ir pra um abrigo, etc.

Além disso também levo essa filosofia para muitos outros meios, tenho poucos amigos, apesar de já ter conhecido algumas centenas de pessoas que me evitam ou não falem mais comigo e outras muitas que se afastam. Isso me faz ter a certeza de que as pessoas que me conhecem e estão comigo gostam de mim. Isso não é por conta de eu ser chato, irritante, insuportável ou não social, é por conta de eu ser agressivo nas pessoas, eu sou cheio de atitudes que muita das vezes espanta ou intimida uma pessoa. Já larguei várias garotas de lado por que eu tinha muitas atitudes, eu estava sempre disposto e fazer muitas coisas e elas sempre tinham um puta drama, eu não me importo, pra mim, ou acontece ou não acontece, não vou alimentar ninguém na minha vida com medo de não ter outro alguém, pessoas vem e vão.

Não alimento nada na minha vida com medo de não conseguir conquistar de novo, eu sei o caminho para conquistar as coisas que já conquistei, é só me dedicar outra vez.

O fato é que na filosofia de VENCER ou VENCER você tem milhares de riscos muito altos, outras milhares de chances de se dar bem, mas o mais importante que essa filosofia me traz é: Eu não tenho medo de nada, eu vivo uma vida sem qualquer arrependimento de passado ou de medos sabe. Eu faço as coisas que eu gosto, que eu amo, que eu quero e tenho vontade de fazer, mesmo que talvez seja perigoso e vá me matar, como pular de paraquedas, bungee jump, etc.

VENCER ou VENCER te ajuda a se lamentar menos da vida, pois você sempre acredita que há uma nova oportunidade a ser descoberta, e há! Vivemos num planeta gigante, com bilhões de pessoas, infinitas possibilidades pra sua vida, mesmo que por alguns momentos a tristeza bata, a decepção te dê uma puta porrada, você sempre pode se lembrar que o mundo ta por ai e nunca irá te matar ou te punir por se jogar nele e se aventurar em algo diferente ou por tentar mais uma vez ser melhor do que você já foi.

Além do mais, você pode sempre se lembrar o quanto já cresceu, evoluiu, melhorou, tudo que você conquistou, isso vai te motivar a jogar a tristeza de lado, isso vai te ajudar a alimentar cada vez mais seus sonhos e sua confiança.

Você tem construído algo chamado conhecimento, que ninguém te rouba, suas experiências são únicas e são elas que contam para qualquer próxima oportunidade ou aventura que você pense em se meter, as vezes pode ser difícil fazer alguém acreditar que tudo aquilo que você tem de bagagem é realmente importante e fará a diferença, mas se você tiver certeza disso, uma hora alguém acreditará e você terá sua chance de brilhar.

Pra terminar, me importo sim com as pessoas que vão vir falar bosta sobre “Ah, você quer ser um milionário, fala de empreendedorismo e tem um emprego fixo, assim é fácil vender essa ideia”. Queria dizer que eu não tenho outra chance de renda, tenho trabalhado pra crescer na industria que eu gosto e na primeira oportunidade juntar uma grande alta pra investir numa empresa ou em alguma ideia louca que eu tenha ou acredite que vá dar certo e conseguir virar o jogo pra eu ser o empresário, o chefe, o empreendedor, independente do mercado que eu entre e assim dar mais um passo pra cima no meu caminho rumo ao primeiro de muitos milhões.

Abraços, é nós ;)