Eu a conheci numa dessas ocasiões da vida. Tinha lá meus 19 ou 20 anos. Havia acabado de sair de um relacionamento trágico (e infantil) e estava vagando pela vida sem saber por o que ou por quem procurava. Em um desses passeios de carro “só pra ver o movimento”, encontrei uma amiga no banco do carona. Ela era a motorista. Em uma conversa rápida, com os carros em movimento, decidimos parar em um barzinho qualquer no principal ponto da cidade. Eu parei o carro antes e logo segui até o local combinado. Esperei na porta do bar até que chegassem. Quando a vi caminhando na direção de uma das mesas, não conseguia acreditar. Loira, magra, de estatura média, com o caminhar suave e modesto, daqueles que não se preocupam em chamar a atenção. Cabelos lisos e longos, que balançavam a cada passo que ela dava. Pude sentir de repente aquele calafrio, aquela acelerada no coração e um ritmo diferente na respiração. Tudo o que pensava naquele momento era: tomara que ela goste de mim. Eu já havia gostado dela sem nem se quer ter ouvido uma palavra sair de sua boca!

Sentamos na mesa do bar e as conversas foram acontecendo. “E aí, como foi sua semana? E hoje, será que rola alguma coisa?”. Em poucos minutos, já estávamos nós três tratando de assuntos comuns, dando risada na mesa juntos sobre diversas coisas. Minha amiga logo de cara percebeu que eu tinha me interessado por ela. Afinal, não era a primeira amiga que ela me apresentava e que me chamava alguma atenção. Mas essa era especial. Essa garota tinha tudo o que nem mesmo eu sabia que queria em minha vida.

Durante nossa conversa na mesa, claro, dei uma atenção especial à ela. Chamava o garçom antes mesmo de ela levantar a mão, pedia para ele caprichar no quer que fosse que ela pedisse e perguntava sempre se ela queria mais alguma coisa. Em momentos como esse, sempre acontece aquela situação em que alguém vai no banheiro, e dois ficam na mesa. E eu tive a chance de ficar alguns minutinhos conversando só com ela, enquanto minha amiga ia ao banheiro. Aquele pensamento “tomara que ela goste de mim”, só ganhava mais força a cada segundo. Sem ter nem noção de como era a voz dela, eu já tinha gostado e muito. Depois de conhecer um pouquinho melhor sobre sua vida, seu dia a dia, seus sonhos, eu acabei gostando mais ainda.

Aquela garota me conquistou de uma maneira que eu não consigo explicar. Ela me seduziu sem nem mesmo saber, sem nem jogar qualquer charme pra cima de mim. Eu tinha que conversar com ela, eu precisava ver ela novamente, pra saber se aquilo que eu senti quando vi ela caminhando em direção ao bar, era de verdade mesmo.