#1

nesse dia eu vi um cara bêbado no ônibus. badaladas, tipo um pêndulo mesmo. era bem feia, e aquele momento correndo toda torta com o sol morno queimando sua cara torta, e bom, feia, provavelmente não era de todos os seus momentos mais ou menos tortos e feios um dos que mais lhe traria orgulho. eu me sinto infectado, auto defesa é um puta discurso virulento. sim, vai ser melhor pra todo mundo. “esse osso é muito saltado, ó. olha só. tá vendo? é muito saltado. e ela não tem peito né.” canil, mas em inglês. e se a gente costurasse todos os elogios que ninguém nunca vai fazer? erro ortográfico, pressa. mais tarde, talvez, eu te aviso. filho da puta me olhando torto. escovei, mas não sei se ainda adianta. vocês vêem também? essa luz é só minha, arrumem a de vocês. pra semana, com certeza. boquete. comédia. sincero, mas ácido, auto suficiente o suficiente pra se regurgitar. no rodapé a ansiedade, que me esqueci. é bom esse progresso humano, esse gosto de casa na boca.

Like what you read? Give mattheus m. a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.