Na internet virou cool odiar crianças. O que deu errado na nossa sociedade?
Carol Patrocinio
60330

“Usamos medidas diferentes para crianças e adultos. Adultos são perdoados por deslizes e crianças são estigmatizadas. Adultos discutem opressão e grupos minimizados, crianças são silenciadas. Adultos podem falar o que gostariam e como gostariam, crianças precisam simplesmente aceitar.”

Texto maravilhoso! Ja atravessei o Atlantico algumas vezes e mesmo na época em que nao tinha filhos (e nem queria te-los), os adultos me incomodaram muito mais do que as crianças. Uma vez um bebeu além da conta e nao parava de mexer com a passageira ao seu lado, em outra ocasiao um roncava absurdamente alto duas ou tres fileiras atras da minha, em outro voo a pessoa ao meu lado ia toda hora ao banheiro e me acordava pedindo passagem, ja viajei com marmanjo atras empurrando meu assento com os joelhos ou caindo babando pra cima de mim. As crianças, por sua vez, muitas vezes choravam por algum tempo e depois dormiam o restante da viagem. Já ganhei copo de cerveja na roupa em restaurante e beijo na boca sem permissao, tudo obra de marmanjo. Celulares tocando no cinema ou teatro e adultos atendendo sempre foram muito mais corriqueiros e perturbadores do que crianças chorando ou tagarelando (e existe alguem que de fato imagina ir ao cinema assistir uma animacao achando que nao havera crianca ou que as mesmas entrarao e sairao mudas?).

Tenho duas meninas, uma completamente diferente da outra. A mais velha, hoje com oito anos, sempre foi na dela, tímida, sempre se comportou melhor que muito adulto tanto em locais publicos como na casa de amigos e parentes, alias, detesta que mexam com ela, nao mexia em nada nem era de fazer muita bagunça em casa. A mais nova, dois anos e meio, nao consegue ficar parada, mexe em tudo, puxa papo com estranhos, do nada começa a cantarolar alto, seja na rua ou num restaurante, e se deixar vira a casa de cabeça pra baixo em meia hora. Crianças sao pessoas com diferentes personalidades, estao em desenvolvimento acelerado e precisam ser educadas mas acima de tudo compreendidas, e nem elas nem seus pais devem ser privados disto ou daquilo por conta de adultos mimados incapazes de aceitar que elas sao parte da sociedade.

“ No fim das contas, não é sobre amar crianças, é sobre respeitar pessoas e entender que nem todo mundo vai te agradar ou agir da maneira que você vê como certa.” Discursos de odio a crianças me assustam, me incomodam. Quem prega odio a crianças tem algum desequilibrio na mente, no coraçao, na alma.

Mais uma vez, amei seu texto, otima reflexao!

Like what you read? Give Valeria Fornicola a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.