Economia circular e o pequeno/micro empreendedor

O velho e o novo — Praça Mauá, Rio de Janeiro — by Valeria Sasser

Muitas ideias nascidas ou em execução nas grandes empresas de tecnologia e nas startups podem ser aplicadas para ganhos também nas pequenas e micros, claro que em menor escala, mas de forma similar, explorando a maxi-utilização dos recursos disponíveis e encontrando ideias novas, fora da norma comum de utilização dos mesmos.

A economia circular aplicada ao mundo do micro e pequeno empreendedorismo pode maximizar receitas e evitar perdas aos empreendedores,estejam eles em qualquer parte do globo, sejam de que indústria forem. Assim como as cidades e grandes empresas, os micro e pequenos empresários podem se beneficiar com o círculo de reciclagem, retorno e reutilização dos materiais e a maximização de uso dos produtos, especialmente os equipamentos, de computadores a batedeiras industriais. A ideia principal atrás da economia circular é como melhor utilizar os bens e os recursos evitando o desperdício destes materiais e a compra de novos produtos. Normalmente, na economia tradicional, a empresa compra a matéria-prima e o combustível para criar um produto, envia o mesmo para o(s) mercado(s), utilizando infra-estrutura e combustível também, as pessoas compram e usam esses produtos e no final, o mesmo acaba no lixo. Na economia circular, os produtos são utilizados até o final real de sua vida útil, são reciclados para novos usos, suas partes são usadas para reparos e quando chegam ao final real de sua vida útil, são vendidos para quem ainda poderá utilizá-los ou têm seus materiais reciclados na criação de novos produtos. Pensar e criar uma plano de alta-utilização dos recursos de uma pequeno e micro empresa pode ser a diferença entre ser bem-sucedido ou não.

Um pequeno empresário normalmente tem recursos limitados para reinvestimento na empresa, portanto a maximização dos recursos/equipamentos e a revenda/reaproveitamento do que se tornou obsoleto (ou sobras e excessos, dependendo do setor onde opera) pode ser um gerador de renda secundário seja via venda direta ou pelo simples fato de adiar ou eliminar a reposição dos recursos já investidos.

Avaliar também os espaços e a cadeia de produção pode encontrar áreas onde os recursos estejam sendo mal-utilizados. Corrigí-los pode gerar economias consideráveis.

No artigo da FastCompany entitulado “Cities need to transition to circular economy; Google wants to help” (em inglês), algumas ideias são lançadas a respeito da economia circular voltada às cidades, mas com um pequeno exercício de visão e escala, o pequeno/micro empresário pode utilizar várias dessas ideias para minimizar perdas e maximizar os investimentos, consequentemente ampliando lucros e possibilidades. Pensar como inovador, olhar seu negócio com a mentalidade de solucionador de problemas não é apenas para quem está no mundo das startups e empresas de tecnologia, mas é um paradigma de pensamento para quem quer criar um impacto positivo na economia e estar do lado da sustentabilidade. Aí está o futuro.

Leia mais sobre o assunto nos links abaixo:

1. https://www.ellenmacarthurfoundation.org/pt/economia-circular-1/conceito

2. http://eco.nomia.pt/pt/economia-circular/estrategias

3. http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/blog-do-planeta/noticia/2016/06/como-economia-circular-pode-transformar-lixo-em-ouro.html