Para Sermos Humanos [O Que Nos Torna Humanos?]

Tudo começou há alguns anos atrás, momento em que decidi ouvir os meus desejos internos e com isso, criar um caminho que fosse verdadeiro, longe de tudo o que havia vivido até o momento e dar os passos com minhas próprias pernas. Durante essa jornada, aceitei todos os desafios que foram colocados à minha frente e tudo isso me proporcionou grandes aventuras.

E todas estas aventuram me levaram a lugares incríveis!

Porém, sempre mudamos ao caminhar, e não foi diferente comigo… Depois de dois anos, revisitei os meus objetivos e tracei uma nova rota, que estava mais próximo do eu que havia me tornado. Os valores de independência e liberdade estavam mais evidentes e então, precisava adequar a minha realidade a eles.

Foi quando decidi que queria trabalhar viajando. Meu sonho vai além de ser uma nômade ou mochileira. O objetivo é viajar, conhecer, absorver, compartilhar e voltar para construir uma metodologia, uma forma para fazer ainda mais o que me propus a fazer: mudar o mundo a partir do processo de consciência e autoconhecimento. Acredito que pessoas conscientes são mais felizes e então, podem ser a fonte para um mundo melhor.

Meu prazo para ter essa vida era setembro de 2017, que aconteceria no mesmo momento em que daria o primeiro passo no caminho de Santiago de Compostela (outro sonho construído).

E tudo estava seguindo muito bem, a vida sempre me proporcionando recursos e ferramentas para construir o que propunha. Estava vivendo um período de retorno do montante de trabalho realizado e o reconhecimento de tantas escolhas — nada cai do céu e precisamos trabalhar muito para a realização.

Mas algo ficou muito evidente nos últimos meses!

Quando definimos e enviamos ao universo nossos desejos, eles se tornam presentes de uma forma incrível e no início do ano, fui convidada para participar de um grande projeto, onde precisaria viajar.

Acredito tanto neste caminho, confio em tudo o que o universo me proporciona, que nem pensei duas vezes! Aceitei o desafio e mesmo sem falar espanhol, iniciei um grande desafio que me tirou completamente da zona de conforto em que me encontrava.

Tudo aconteceu muito rápido e semana passada foi o momento de concretização deste grande sonho construído há pouco menos de um ano. A primeira viagem foi para Colômbia, um lugar que não conhecia ainda, e foi incrível!

Este momento foi o grande marco para uma nova fase em minha vida e sei que muitos desafios ainda virão pela frente, mas também sei que a vida só é completa quando os encontramos no caminho.

Claro que, nada disso foi fácil. Sai da zona de conforto, tive meus momentos de desequilíbrio, de cansaço e de insegurança. Para sermos algo que não somos ainda, precisamos arriscar.

O desequilíbrio faz parte de nossa jornada tanto quanto nosso equilíbrio, e ter a consciência de tudo o que acontece dentro e fora de nos ainda é um dos objetivos que me acompanham desde o início.

É a consciência, o meu grande motivador e fonte de minha energia, que responde sobre o motivo de minha existência. Motivo este que foi criado diante de tantas respostas que obtive ao olhar para o meu interior… Motivo que garante tantas construções no exterior.

Somos o que criamos de nós mesmos.

Somos nossos sonhos, desafios e conquistas.

Somos o equilíbrio que provem do desequilíbrio e a construção seguida do risco constante.

Somos a garantia do desejo de ser melhor do que fomos.

Somos o que desconhecemos de quem somos e isso nos garante ir além…

Ir além significa confiar em você e não precisar de formas ou certezas para dar o próximo passo… caminhar todos os dias para construir a consciência de um propósito e dar sentido à nossa existência!

Um super beijo,
Vanessa

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.