Qual o sentido da vida?

Com está pergunta intrigante e que me fez rever minha trajetória começo a minha jornada no Medium. No dia 03 de fevereiro de 2016 conheci o casal, Cristina Uranga e Fernando Felix (Arte de Partir), que assim como muitos outros, estão desbravando o mundo. Venderam boa parte do que juntaram durante a vida. E assim, foram mundo afora conhecer e vivenciar culturas diversas por meio da economia colaborativa e suas diversas formas. Mas, o que me chamou a atenção nessa história foi o fato de que Cristina e Fernando, mesmo estando numa idade que consideramos ser o momento de descansar, resolveram viajar utilizando plataforma de couchsurfing e carona. Alguns chamam de desprendimento, desapego, outras de experimentar coisas novas. Ainda não sei se preciso ter a certeza de como denominar…

…até porque Fernando chegou com a pergunta intrigante, já para começar bem o ano:

"Qual o sentido da vida?"

E aí, você fica com aquela cara de não sei, nunca parei para pensar, que vergonha de falar, que será que ele quer ouvir, o que será que ele vai fazer com essa resposta…

Mas, você já pensou… E para você….

“Qual o sentido da vida?”

Difícil, né…

Diria até que doí… isso doí… Paramos para pensar em nossa trajetória de vida, família, amigos, amores, viagens, lugares, trabalho, paixão pelo que faço, quero mudar de vida, filhos, casa, carro, comida, estudo, praia, cachoeira, livros, filmes, tempo, a falta de tempo…. OPA!!!

E aí começamos a nos questionar no que realmente gastamos nosso tempo, ou será que a palavra é investir?

E você está gastando/investindo seu tempo com o quê ou com quem?

E voltamos a pergunta:

“Qual o sentido da vida?”

“Qual o sentido de estar vivo?”

“Qual o legado que você quer deixar?”

“Como você quer ser lembrado?”

Há alguns anos foram essas questões e inquietações que foram o pontapé inicial para começar a repensar minha trajetória. Ao conhecer Fernando e Cristina elas retornaram. E uma sensação de dejavú me permitiu voltar alguns anos e relembrar desses questionamentos confrontando com o momento que estava vivendo. E há alguns anos a partir das minhas respostas resolvi mudar.

Tracei um caminho para que eu realmente vivesse e realizasse o meu "sentido da vida". Busquei dentro de mim o meu "sentido da vida" e vivo ele na plenitude. E aprendi, aprendo, erro, reaprendo a investir tempo no que me deixa plena, satisfeita … feliz.

E você já sabe…

“Qual o sentido da vida?”

Gostou do texto? Clica no ❤ ali embaixo e ajude mais gente a encontrar este artigo!

Até a próxima ❤