O amor nos tempos de Tinder

Fiquei solteira depois de um longo período namorando, mais ou menos uns 6 anos somando os dois namoros. Para arrematar mudei da minha cidade natal, sem minhas grandes amigas e família. Foi nesse cenário que conheci o Tinder, já conhecia, mas nunca tinha usado.

Tornei-me mais uma adepta começando cheia de preconceitos me sentindo extremamente superficial e as vezes até ridícula escolhendo um possível pretendente passando fotos para esquerda e para direita, até aparecer o MATCH. Preciso confessar que isso até deixa você entusiasmado e é um pouco viciante no começo, na maior parte das vezes você nem conversa com seu match, porque você ainda está se entretendo na busca de novos matches e quem assistiu How I met Your Mother sabe da regra “new is always better”, inclusive tem um episódio em que o Barney divulga seu telefone durante o Super Bowl e a consequência disso se encaixa perfeitamente nessa situação.

Enfim, comecei a usar esse e outros aplicativos sem nenhuma pretensão, porque conhecer alguém deitado na sua cama de pijama sem ter penteado o cabelo o dia inteiro parece muito fácil e irreal. Conversei com muitas pessoas, na maior parte dos casos a conversa não passou do “tudo bem também”. Fazendo uma média, dos mais de 100 matches a conversa migrou para o Whatsap com uns 10 e sair mesmo saí com 3 caras.

Aonde quero chegar como isso tudo, a forma como as pessoas estão se relacionando mudou muito desde a última vez que eu fui solteira! Não sou uma pessoa piegas, nostálgica nem nada disso, ao contrário me considero até uma mocinha “avant garde”, mas o que tenho sentindo é que todos estão sempre a procura do próximo match, e deixam brincadeira terminar quando acabou de começar. Ninguém se envolve, estão todos disponíveis mas ninguém está disposto. E que fique claro, isso não quer dizer que necessariamente você está em busca de um ~compromisso sério~ quer dizer apenas que você é uma pessoa aberta a experiências e não gosta de mergulhar em lugares rasos de cabeça. Gente muito fechada e com preguiça de se aproximar, sair da zona de conforto e realmente conhecer alguém. Acho até que todos esses aplicativos e redes sociais ajudam você a cair na armadilha do tudo ao mesmo tempo agora, um monte de matches, 300 likes em uma foto, mas as vezes a realidade vem como um soco na sua cara e você se sente sozinho precisando de alguém, acorda e descobre que tem um monte relações irrelevantes, e que nenhum desses likes se importa em como você está se sentindo, na verdade são completos estranhos que não sabem quem você realmente é e no momento tem problemas mais importantes do que você. Em todo esse tempo você não construiu nada, viveu um monte de nada, e o que vale um monte de nada?

Conversei com muitas pessoas que estão também estão a procura do match perfeito e identifiquei outro problema. Somos catalogados em duas categorias: “Pessoas que conheci no App” e “Pessoas que conheci no mundo real”. Claro existem exceções, eu mesma conheci um casal que se conheceu no Tinder começaram a namorar e não escondem de ninguém. Não estou aqui para cagar regra só estou compartilhando a MINHA experiência, e na minha visão, dividir pessoas em categorias é extremamente estúpido e só serve para diminuir suas chances de conhecer pessoas tão interessantes quanto você e que por uma coincidência do destino estão usando o mesmo app. Isso deveria ser incrível, não é mesmo?! Exemplificando: conversei com um rapazinho no Tinder e estávamos combinando de nos encontrar: “Vamos no lugar x, uns amigos meus vão estar lá também, mas não diz que nos conhecemos no Tinder”, brochei na hora. A mesma pessoa é outra em um lugar diferente? Pois eu acho que não.

Ao mesmo tempo que eu não concordo com isso não posso negar que acontece e é preciso estar preparado para reagir quando ficar envolvido em um bad romance, acredite, você viverá um. Queria muito viver em um mundo em que relacionamentos não são tratados como jogos de poder e as pessoas conseguissem ser sinceras uma com as outras sem culpa, medo, etc… Aquela história de não fazer com os outros o que você não gostaria que fizessem com você, good karma, essas coisas que deveriam ser levadas mais a sério.

Não julgo os motivos pelos você usa um aplicativo de paquera, e você também não precisa deixar isso explícito em um primeiro momento, porque as vezes nem nós sabemos, só não deixe que o meio em que você conheceu a pessoa determine a forma como ela será tratada. Saiba com quem esta conversando, já que você fez o download da porra do aplicativo e se dispôs a usá-lo use direito, alinhe expectativas e siga o curso do rio, ou não, ninguém é obrigado a corresponder sentimentos e expectativas, não é fácil encontrar alguém vibrando na mesma sintonia que você, mas você só descobre quando trata isso como algo real. Mas principalmente, parafraseando Gandhi, não seja babaca.