“Holocausto Brasileiro” matou 60 mil pessoas num manicômio em Minas Gerais
Pedro Zambarda de Araújo
1413

Tive (tenho) muita vergonha de ser mineira ao ficar sabendo disso. Há anos sabia sim, que os ‘loucos’ enviados para Barbacena sofriam horrores (como sofrem todos que vão para lugares assim, vide o extinto Hospital Colônia de Juqueri em Franco da Rocha-SP) mas nunca poderia imaginar o tamanho desta verdadeira tragédia que envergonha o grande e ‘simpático’ estado das minas gerais (em minúsculas mesmo). É claro que havia toda uma conjuntura, eram outros tempos e modos de vida e isso influencia a noção de certo/errado desde sempre. No entanto, acho que o governo mineiro deve, no mínimo, um pedido de desculpas, uma retratação pública a quem quer que se sinta incomodado/envergonhado (como eu me sinto). Fica aqui meu desejo de que isso aconteça (mesmo sabendo que nunca vai acontecer porque tudo precisa se ocultar atrás da hospitalidade e da simpatia dos mineiros, tão divulgada em canções e poemas e piadas bobas). Daniela Arbex tem recebido elogios mais que merecidos pelo seu trabalho, mas acho que o maior de todos (do que prêmios e etc.) é o fato de que se dispôs a resgatar uma história que, de outro modo, talvez continuasse oculta. Parabéns por isso, Daniela.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.